PUBLICIDADE
Topo

Gilberto Gil faz reflexão sobre discurso de ódio contra negros no Brasil

Gilberto Gil usou o Instagram para falar sobre o combate ao discurso de ódio - Reprodução/Instagram/Fe Pinheiro
Gilberto Gil usou o Instagram para falar sobre o combate ao discurso de ódio Imagem: Reprodução/Instagram/Fe Pinheiro

Colaboração para Splash, em São Paulo

30/11/2021 12h18Atualizada em 30/11/2021 15h46

Gilberto Gil fez uma reflexão a respeito do discurso de ódio no Brasil e sobre como a liberdade de expressão tem sido usada por grupos para defender seus posicionamentos racistas.

O cantor e compositor fez a publicação em seu Instagram, onde afirmou que o Brasil já dispõe de formas para combater esse tipo de violência. "Hoje já há condições no país para que essa facilidade do discurso pejorativo, da chacota com o negro seja combatida. É algo que tem resposta de setores da sociedade", começou ele.

Isso é importante porque até pouco tempo atrás, além de chicotear, matar e discriminar de todos os modos, ainda era tranquilo o discurso da rejeição, da secundarização do negro e do seu papel na sociedade.

Por fim, Gil afirmou: "Liberdade de expressão não pode significar essa facilidade, esse vício que vem do pelourinho".

Eleito como um dos novos imortais da ABL (Academia Brasileira de Letras), Gil, de 79 anos, disse em entrevista recente esperar que a instituição se posicione em defesa da pluralidade e democracia.

"É expectativa minha que a Academia se poste cada vez mais na direção da defesa da democracia, da pluralidade, do respeito entre as várias camadas de formação da sociedade", declarou o cantor e compositor em entrevista ao "Fantástico".

Na ocasião, ele se emocionou ainda ao falar da luta contra o racismo e o significado de sua eleição para a ABL:

Quando a Academia me acolhe, acolhe aquele que ela sabe quem é. O apreço que eu tenho pela formação negro-mestiça da sociedade brasileira. Os problemas relativos a isso e a necessidade de posicionamento em relação a esses problemas, que tem sido uma constante na minha vida."

Gil completou: "A sociedade brasileira espera da Academia esse tipo de compromisso".