PUBLICIDADE
Topo

Anitta denuncia ação da polícia no Jacarezinho: 'Brutal e ilegal'

Anitta em Girl From Rio - Reprodução Instagram
Anitta em Girl From Rio Imagem: Reprodução Instagram

Colaboração para Splash, em São Paulo

08/05/2021 08h55Atualizada em 08/05/2021 09h01

Anitta, de 27 anos, denunciou a ação da polícia do Rio de Janeiro após uma operação não autorizada gerar 25 mortes na favela do Jacarezinho.

"A polícia brasileira desafia a justiça máxima do próprio país para matar. A cor da pele e o endereço define quem vai morrer. Ontem, isso ficou ainda mais evidente, quando 25 pessoas foram assassinadas de forma brutal e ilegalmente na favela do Jacarezinho, no Rio de Janeiro", iniciou a cantora em postagem no Twitter.

"Sem urgência e comunicação prévia, as operações policiais estão proibidas durante a pandemia. Mas a polícia civil do Rio de Janeiro invadiu casas, espalhando terror em uma das maiores favelas da capital, descumprindo sumariamente essa pré-determinação", continuou.

"Com isso, o Rio ganhou a maior chacina de sua história. Das 25 pessoas mortas, 13 delas não eram investigadas pelo motivo que levou a polícia civil até à favela. Por que elas morreram? Por que tantas vidas foram postas em risco?", questionou Anitta.

"Como se não bastasse, a chamada 'operação de inteligência' também atingiu inocentes dentro do metrô enquanto iam para o trabalho. Vale lembrar que o Brasil soma hoje 417 mil mortes pela covid 19 com 15 milhões de infectados. Chega!", encerrou a cantora, que lançou recentemente "Girl From Rio", clipe em que enaltece as belezas do Rio de Janeiro ao longo das décadas.

O massacre no Jacarezinho

Uma operação policial no Rio na favela do Jacarezinho terminou com 25 mortes na manhã de anteontem.

A Operação Exceptis foi promovida pela Delegacia da Criança e do Adolescente Vítima (DCAV), em conjunto com a Polícia Civil do Rio, com o objetivo de prender 21 acusados de aliciar crianças e adolescentes para o tráfico de drogas. Entretanto, inocentes acabaram sendo mortos durante a ação, incluindo um policial.