PUBLICIDADE
Topo

Carrieri lembra papo com filhas bissexuais e aconselha: 'Apoie seu filho'

Mari Monts

De Splash, em São Paulo

16/01/2021 04h00

Mateus Carrieri marcou sua passagem em "A Fazenda 12" por ser o paizão da galera.

Com as filhas, ele tenta ser mais do que um pai, e, sim, um amigo para todas as horas.

Nesta semana, o ator revelou que suas filhas, de 14 e 13 anos, são bissexuais.

A Splash, ele contou como foi o papo com as meninas.

Continua depois da publicidade
Divulgação/RedeTV! - Divulgação/RedeTV!
Imagem: Divulgação/RedeTV!
Quando eu percebi, conversei com elas sobre isso. Depois, senti que ficaram mais à vontade para deixar aflorar o que são. Ninguém é influenciado. A pessoa é.
Reprodução/Instagram - Reprodução/Instagram
Mateus Carrieri com a família após participação em 'A Fazenda'
Imagem: Reprodução/Instagram

O ator, que diz apoiar e aconselhar as filhas, contou exatamente o que disse para elas:

Aqui em casa, vocês podem ser o que quiserem. Eu vou simplesmente amá-las pelo que são. Desde que vocês tenham bom coração e caráter, o resto não importa.
Continua depois da publicidade

Paizão desconstruído

Carrieri diz que só fica preocupado caso elas sofram preconceito. Mas destaca que as filhas são engajadas e procuram discutir com ele, sempre que possível, assuntos relacionados a gênero, machismo e homofobia.

A gente, que é mais velho, tem que fazer uma desconstrução para não bater de frente com essa geração, que eu acho que está correta.

Errado não tá, né?

Reprodução/Instagram - Reprodução/Instagram
Imagem: Reprodução/Instagram

Após fazer um vídeo defendendo a comunidade LGBTQIA+ no Instagram, Carrieri disse que recebeu muitas mensagens. Tanto de jovens homossexuais que tiveram problemas com os pais, quanto de pais que têm filhos homossexuais e não sabem como lidar com isso.

Como paizão, ele deixa seu conselho:

Ame seu filho e deixe ele ser quem ele quer ser. Porque qualquer imposição não é positiva. Apoie seu filho, não tenha vergonha.
Continua depois da publicidade

Ele ainda completa:

"Não é frescura ou querer aparecer. Não é rebeldia. Isso tem a ver com aceitação e felicidade. Os pais têm que dar essa liberdade para seus filhos voarem. Dar apoio e proteger".