PUBLICIDADE
Topo

Mauricio Stycer

Especial "Falas Negras" ganha trágica atualidade e emociona ainda mais

'Falas Negras': Veja comparação dos personagens reais e da ficção da Globo

Mauricio Stycer

Mauricio Stycer é jornalista desde 1985. Repórter e crítico do UOL, colunista da Folha de S.Paulo, passou por Jornal do Brasil, Estadão, Folha, Lance!, Época, CartaCapital, Glamurama Editora e iG. É autor de "Topa Tudo por Dinheiro - As muitas faces do empresário Silvio Santos" (editora Todavia, 2018).

Colunista do UOL

21/11/2020 02h09

Planejado como um manifesto contra o racismo, a discriminação e a violência, o especial "Falas Negras" não apenas mostrou a sua atualidade como pareceu profético ao ser exibido no final deste doloroso Dia da Consciência Negra, nesta sexta-feira (20).

Repetidas ao longo de todo o dia, as cenas da morte de João Alberto Silveira Freitas estabeleceram um diálogo trágico com programa exibido pela Globo. Como se os 22 depoimentos, de personalidades históricas, no fundo, contassem a história daquele homem negro, assassinado de forma covarde por dois seguranças brancos de um supermercado em Porto Alegre.

Idealizado e escrito por Manuela Dias, com direção de Lázaro Ramos, "Falas Negras" teve vários outros méritos, além da triste coincidência de ir ao ar no mesmo dia em que o crime no supermercado ilustrou tão claramente o racismo que ainda existe no país.

Em primeiro lugar, a boa ideia de colocar em cena, como monólogos teatrais, em cenários despojados, os depoimentos de pessoas reais que combateram o racismo, a intolerância, a segregação racial, e lutaram por liberdade e justiça.

Também merece elogios a seleção igualmente boa de figuras simbólicas, desde a rainha Nzinga Mbandi (1626), até Mirtes Souza, mãe do menino Miguel, morto depois de ser deixado sozinho dentro de um elevador por Sarí Corte Real, patroa de Mirtes.

Entre as duas, vários americanos, como Martin Luther King, Malcolm X, Angela Davis, Muhammad Ali, Rosa Parks e James Baldwin, o sul-africano Nelson Mandela, e muitos brasileiros, como Virginia Bicudo, Luiz Gama, Lelia Gonzalez, Milton Santos e Marielle Franco.

Por fim, o programa mostrou um elenco extraordinário, com atores e atrizes de diferentes origens e tradições, mas todos claramente dedicados ao projeto.

São eles: Barbara Reis, Babu Santana, Taís Araujo, Izak Dahora, Mariana Nunes, Guilherme Silva, Tatiana Tibúrcio, Bukassa Kabengele, Aline Deluna, Reinaldo Junior, Olívia Araújo, Fabrício Boliveira, Naruna Costa, Aílton Graça, Tulanih Pereira, Flávio Bauraqui, Valdineia Soriano, Angelo Flavio, Ivy Souza, Silvio Guindane, Heloísa Jorge e Samuel Melo.

Duas observações. Nos créditos finais, seria interessante ver o nome de cada personagem associado ao ator que o interpretou. E a emissora poderia publicar em seu site as fontes bibliográficas que alimentaram o roteiro.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL