PUBLICIDADE
Topo

Globo decreta o fim do "Zorra" e prepara novo programa de humor para 2021

Fernando Caruso imita o presidente Jair Bolsonaro no Zorra - Reprodução/TV Globo
Fernando Caruso imita o presidente Jair Bolsonaro no Zorra Imagem: Reprodução/TV Globo
Mauricio Stycer

Mauricio Stycer é jornalista desde 1985. Repórter e crítico do UOL, colunista da Folha de S.Paulo, passou por Jornal do Brasil, Estadão, Folha, Lance!, Época, CartaCapital, Glamurama Editora e iG. É autor de "Topa Tudo por Dinheiro - As muitas faces do empresário Silvio Santos" (editora Todavia, 2018).

Colunista do UOL

15/10/2020 10h27Atualizada em 15/10/2020 21h15

Atores e redatores do "Zorra" foram informados na quarta-feira (14) que o humorístico não será mais produzido. O mesmo destino terá o "Fora de Hora". A boa notícia é que a emissora criou um grupo para desenvolver um novo programa de humor para as noites de sábado em 2021.

A criação do novo programa terá a supervisão de Silvio de Abreu e será coordenada pelo roteirista Antônio Prata. Uma pequena parte dos redatores dos programas cancelados vai participar do processo. Marcelo Adnet e Fernando Caruso são mencionados entre os que devem fazer parte do grupo de criação.

Há cerca de três semanas, as equipes do "Zorra" e do "Fora de Hora" tinham a informação de que os programas seriam produzidos em 2021. A decisão de cancelá-los, oficializada esta semana, pegou muita gente de surpresa. Também a "Escolinha do Professor Raimundo" não será mais produzida.

A decisão de encerrar três programas e focar em apenas uma nova atração, mais popular, ocorre no contexto do processo de enxugamento de despesas do Grupo Globo. Em nota oficial, a emissora atribuiu a decisâo "aos desafios impostos pela Covid, que têm impactado muito nossos cronogramas de produção" (veja a íntegra abaixo).

Renovação do humor

Aproveitando o nome do popular "Zorra Total" (1999-2015) com a intenção de agregar audiência, o novo "Zorra" não tinha qualquer relação com o antigo programa. Desde o lançamento, em maio de 2015, o humorístico procurou rir do cotidiano, incluindo do mundo político. O seu slogan era "está difícil competir com a realidade".

Assim como a criação do "Tá no Ar" (2014-2019), a do novo "Zorra" ocorreu sob o comando de Marcius Melhem, posteriormente nomeado coordenador da área de humor da Globo. Ele deixou a emissora em agosto de 2020, após 17 anos, na esteira de uma investigação interna que sofreu após ser acusado de assédio moral a funcionários.

O "Fora de Hora", ainda um projeto de Melhem, substituiu em 2020 o "Tá no Ar", sem o mesmo sucesso.

O cancelamento do "Zorra", do "Fora de Hora" e da "Escolinha", assim como do quadro "Isso a Globo Não Mostra", no "Fantástico", simboliza o fim da era Melhem na Globo.

Abaixo, a nota oficial da Globo sobre o cancelamento do "Zorra", "Fora de Hora" e "Escolinha do Professor Raimundo":

"O humor é fundamental para a composição dos nossos conteúdos. Diante dos desafios impostos pela Covid, que têm impactado muito nossos cronogramas de produção, optamos, em 2021, por reunir todo o potencial criativo da Globo em um programa novo, juntando as equipes do 'Fora de Hora', 'Zorra' e 'Escolinha'. Assim, vamos oferecer para o espectador o melhor de cada gênero de humor, num programa variado e com muitas possibilidades de desdobramentos futuros. Será um verdadeiro laboratório de formatos e talentos que poderá nos trazer mais novidades."

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL