PUBLICIDADE
Topo

Direção da 'Fazenda' divulga nota para explicar bronca de Mion em Narizinho

Mauricio Stycer

Mauricio Stycer é jornalista desde 1985. Repórter e crítico do UOL, colunista da Folha de S.Paulo, passou por Jornal do Brasil, Estadão, Folha, Lance!, Época, CartaCapital, Glamurama Editora e iG. É autor de "Topa Tudo por Dinheiro - As muitas faces do empresário Silvio Santos" (editora Todavia, 2018).

Colunista do UOL

30/09/2020 17h04

A bronca que o apresentador Marcos Mion deu em Carol Narizinho na noite de terça-feira (29), durante a transmissão ao vivo da "Fazenda", teve enorme repercussão.

"'A Fazenda' é um jogo de convivência e, na boa, não existe sociedade que sobreviva em harmonia sem regras e um líder com exemplo de conduta, tanto na convivência quanto no trato dos animais. Só assim o líder que deve dar o exemplo pode cobrar dos outros", reclamou Mion.

O pito do apresentador foi mal recebido dentro e fora da "Fazenda". Além de ter surpreendido os peões, incomodou os espectadores, em especial, os fãs da ex-panicat. Em publicação no Twiiter, Mion se justificou dizendo que apenas leu um texto que a direção do programa escreveu.

"O texto todo de ontem relacionado a Carol Narizinho foi encomendado e aprovado pela direção do programa. Não é um recado pessoal, uma opinião MINHA!", escreveu.

Na tarde desta quarta-feira (30), a coluna recebeu uma nota enviada pela direção do reality show, explicando melhor o motivo da bronca dada por Mion em Carol Narizinho.

O texto lembra que, por causa das restrições impostas pela pandemia de coronavírus o cuidado com os animais depende ainda mais dos participantes. "A zootecnista, o caseiro e a produção não entram no espaço para auxiliar nas tarefas do trato dos animais e das plantas", diz a nota.

Um momento incomodou especialmente a produção do programa. Como se vê no vídeo acima, enquanto era fazendeira, Carol festejou com os demais peões uma das muitas punições recebidas por descumprimento de regras.

Diz a nota: "Como a fazendeira Carol chegou a dizer que as punições estavam liberadas enquanto ela estivesse no comando, dando a entender que os peões poderiam deixar de cumprir obrigações com os cuidados da fazenda e de suas normas de convivência, segurança e saúde, o recado a todos os participantes do programa se tornou necessário".

Abaixo, a íntegra da nota da direção da "Fazenda" sobre o caso:

"A direção do programa 'A Fazenda' endossa as palavras do apresentador Marcos Mion sobre as responsabilidades do fazendeiro durante o programa.

'A Fazenda' segue criteriosos protocolos de segurança e saúde que estão permitindo a realização de um programa de confinamento mesmo durante a pandemia.

Entre as restrições, há um isolamento ainda maior dos peões na área do programa. A zootecnista, o caseiro e a produção não entram no espaço para auxiliar nas tarefas do trato dos animais e das plantas.

Mais do que em qualquer outra edição, o fazendeiro deve ser o guardião dos cuidados com os animais e as normas da fazenda.

Como a fazendeira Carol chegou a dizer que as punições estavam liberadas enquanto ela estivesse no comando, dando a entender que os peões poderiam deixar de cumprir obrigações com os cuidados da fazenda e de suas normas de convivência, segurança e saúde, o recado a todos os participantes do programa se tornou necessário.

O que a produção quis foi alertar que a função de fazendeiro traz benefícios no jogo, mas, muito mais do que isso, também obrigações com a segurança, saúde e convivência de todos. E, além disso, o cumprimento rigoroso do cuidado com os animais e do isolamento durante a pandemia.

Alimentos e bebidas disponibilizados nas festas devem ser consumidos fora da casa.

O álcool gel jamais pode ser usado para outra função que não seja o da higiene e limpeza.

E os animais têm rotinas e horários que precisam ser seguidos à risca.

A mensagem aos peões era necessária para a segurança de todos e também para que os próximos fazendeiros não incentivem o descumprimento das regras e as consequentes punições."

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL