PUBLICIDADE
Topo

Leandro Carneiro

ANÁLISE

Texto baseado no relato de acontecimentos, mas contextualizado a partir do conhecimento do jornalista sobre o tema; pode incluir interpretações do jornalista sobre os fatos.

Galvão Bueno corneta diretoria do Flamengo em jogo da seleção olímpica

Galvão Bueno deu sua cornetada no jogo de hoje - Reprodução/SporTV
Galvão Bueno deu sua cornetada no jogo de hoje Imagem: Reprodução/SporTV
Conteúdo exclusivo para assinantes
Leandro Carneiro

Editor de Splash, viciado por qualquer tipo de reality show, inclusive aqueles que os famosos vivem na vida real. Jornalista há mais de 10 anos e palpiteiro desde sempre. Se o assunto for esporte entro em campo também.

Colunista do UOL

31/07/2021 10h47

Galvão Bueno acordou cedo e com a língua afiada no segundo sábado de Jogos Olímpicos. E desta vez, o alvo do narrador foi a diretoria do Flamengo e dos demais clubes que não liberaram atletas para as Olimpíadas.

Em mais de uma oportunidade, na vitória sobre o Egito, Galvão usou Richarlison para exaltar como o atacante estava feliz em estar com a seleção brasileira olímpica. Foi ele quem fez a jogada do gol de Matheus Cunha que garantiu o Brasil nas semifinais.

"Que sirva de lição para dirigente que nega jogador. O brilho nos olhos do jogador", falou após uma boa jogada de Richarlison.

"Mais um recado para dirigente que nega jogador. Olha o que volta valorizado", ressaltou em um segundo momento.

O principal alvo do futebol brasileiro é o Flamengo que vetou a presença do atacante Pedro nos Jogos Olímpicos. O jogador chegou até a ser convocado antes de ser proibido pelo clube de disputar a competição. Richarlison, então, ficou em sua vaga.

Como previsto, a opinião de Galvão dividiu bem as redes sociais. Por um lado, os flamenguistas não gostaram das alfinetadas. Do outro, os rivais concordaram.

Vale ressaltar que não foi apenas o Flamengo que proibiu a convocação de jogadores. Nomes como Neymar e Marquinhos também foram sondados e vetados pelo PSG.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL