PUBLICIDADE
Topo

Em Istambul, moradores têm o 'privilégio' de nadar entre dois continentes

Um nadador mergulha nas águas do estreito de Bósforo, no distrito de Bebek, em Istambul, em 29 de julho. A cena é comum na cidade e muitos residentes voltam para casa com o sal das águas entre dois continentes no corpo através do metrô - OZAN KOSE/AFP
Um nadador mergulha nas águas do estreito de Bósforo, no distrito de Bebek, em Istambul, em 29 de julho. A cena é comum na cidade e muitos residentes voltam para casa com o sal das águas entre dois continentes no corpo através do metrô Imagem: OZAN KOSE/AFP

da AFP

05/08/2022 17h04

Todas as manhãs, o aposentado Metin Cakmakci, com a pele dourada pelo sol, corre para encontrar uma cadeira e um guarda-sol na "sua" praia, no lado asiático de Istambul, antes que os banhistas cheguem em massa.

"Um mar como este para uma cidade gigantesca como Istambul, não é nada mau", sorri o homem de 74 anos, apontando para as águas cristalinas do Mar de Mármara. Istambul, uma megalópole de 16 milhões de habitantes localizada entre dois continentes e dois mares, não costuma ser assimilada a um balneário.

Mas como os habitantes de Nova York, Beirute e outras capitais, os habitantes de Istambul podem nadar no mar e voltar para casa no metrô com areia nas sandálias. "Antigamente, você podia chegar à água de qualquer lugar", lembra Cakmakci. "Agora, é claro, há construções por toda parte".

As autoridades de Istambul acrescentaram mais 100 cadeiras espreguiçadeiras a esta praia, que agora tem cerca de 300, além de 170 guarda-sóis, detalha Sezgin Kocak, encarregado da manutenção, que passou a infância nesta areia, cada vez mais lotada. Isso é consequência da crise econômica, que atinge fortemente a Turquia, com inflação próxima de 80%.

Burkini e biquíni

"Muitas pessoas não podem mais sair de Istambul", diz Canan Civan, senhora de 60 anos que usa biquíni. "Mas mesmo que eu tivesse dinheiro, não iria a nenhum outro lugar", diz. "Ao invés de passar 10 dias de férias, prefiro vir aqui todos os dias durante três meses".

Istambul tem 85 praias ou acessos marítimos entre o Mar Negro ao norte e o Mar de Mármara ao sul, com o corredor do Bósforo entre eles. Públicas ou privadas, algumas praias atraem uma clientela tradicional, que mantém o véu para tomar banho, enquanto outras usam biquínis, alguns minúsculos.

Mas à imagem do que é a sociedade turca, ambas tendem a coexistir, embora às vezes se localizem de um lado ou outro de uma demarcação invisível.

De biquíni ou burquíni, frequentadoras não perdem a oportunidade de mergulhar nas águas do estreito de Bósforo - OZAN KOSE/AFP - OZAN KOSE/AFP
De biquíni ou burquíni, frequentadoras não perdem a oportunidade de mergulhar nas águas do estreito de Bósforo
Imagem: OZAN KOSE/AFP

Do lado do biquíni, Eren Bizmi incentiva seus amigos, que estão jogando vôlei. "Quando as pessoas falam sobre o mar, as pessoas pensam mais em Bodrum", no Mar Egeu (oeste).

"Mas os moradores de Istambul sabem: aqui estamos a 35, 40 minutos do centro", destaca a corretora de imóveis de 32 anos. Este é o mar "mais bonito, menos salgado", diz. "E posso ainda trabalhar: se um cliente liga, saio para fazer uma visita e depois volto", explica.

Mas ninguém menciona as duas minas marítimas encontradas na área nesta primavera (hemisfério norte, outono no Brasil), refletindo uma guerra que ocorre mais ao norte entre a Rússia e a Ucrânia.

O "privilégio" do Bósforo

Depois, há os banhistas do Bósforo, que não trocariam seu lugar por nada. Este é o caso de Eren Tör e seu grupo, que se reúnem todas as manhãs em Bebek, bairro da costa europeia.

Este aposentado de 64 anos nada "todos os dias do ano, mesmo no inverno, mesmo sob a neve", diz. "É um privilégio nadar em Istambul, entre dois mares, entre dois continentes", em águas com temperatura média de 23 graus no verão e 11 no inverno.

Estrategicamente localizada, a Turquia fica entre Europa e Ásia e muitos locais aproveitam para nadar na costa do Mar Negro (foto) - OZAN KOSE/AFP - OZAN KOSE/AFP
Estrategicamente localizada, a Turquia fica entre Europa e Ásia e muitos locais aproveitam para nadar na costa do Mar Negro (foto)
Imagem: OZAN KOSE/AFP

Quase todo mundo aprendeu a nadar aqui, nas águas do Bósforo, cujas correntes traiçoeiras conhecem bem, como suas mudanças de humor. É o caso de Levent Aksut que, aos 92 anos, vem nadar "três a quatro vezes por semana".

No entanto, "o governo não gosta de ver as pessoas em trajes de banho", lamenta seu filho Caner, em alusão ao partido governante conservador-islâmico AKP, que, segundo ele, reduz o acesso. Mas eles mantêm o ritual: depois do banho, secam-se ao sol e depois vão tomar um café. E assim, dia após dia.