PUBLICIDADE
Topo

Esporte

Inter de Milão terá que jogar com portões fechados após episódio de racismo

27/12/2018 16h42

Roma, 27 dez (EFE).- A Inter de Milão terá que jogar dois jogos com portas fechadas e uma terceira partida com público limitado no San Siro após os insultos racistas da torcida do clube aos jogadores negros do Napoli, especialmente ao zagueiro Kalidou Koulibaly.

O tribunal esportivo do Campeonato Italiano comunicou a decisão em uma nota oficial publicada nesta quinta-feira, documento no qual aponta como motivos para a punição os "cantos territoriais pronunciados durante toda a partida contra torcedores da equipe rival" e também as "músicas racistas" contra Koulibaly.

Além disso, o próprio Koulibaly e o Lorenzo Insigne foram suspensos por duas rodadas pelas atitudes em campo durante a partida, que terminou com vitória da Inter por 1 a 0.

O zagueiro foi punido pelos aplausos irônicos ao juiz do jogo, Paolo Silvio Mazzoleni, quando foi expulso faltando nove minutos para o fim. Já Insigne teria xingado a arbitragem.

Torcedores de Inter e Napoli entraram em confronto antes da partida no San Siro. Quatro pessoas foram esfaqueadas e uma morreu após ser atropelada por uma caminhonete.

A tensão continuou depois dentro do estádio, onde os torcedores da Inter cantaram uma série de músicas ofensivas contra vários jogadores, entre eles Koulibaly, que terminou expulso.

O episódio de racismo foi condenado com firmeza por personalidades do mundo do futebol. O presidente da Série A, Gaetano Micchichè, disse que a situação não pode se repetir no futuro.

Em nota, o dirigente afirmou que vai estudar medidas para suspender imediatamente partidas nas quais houver frases discriminatórias ou racistas.

A Inter publicou um comunicado no qual pediu respeito e inclusão, afirmando que o clube sempre se comprometeu a criar um "futuro livre de discriminação". EFE

Esporte