PUBLICIDADE
Topo

Fórmula 1

Russell condena fala racista de Piquet e prega união contra discriminação

George Russell e Lewis Hamilton, dupla de pilotos britânicos da Mercedes na F1 - Mark Thompson/Getty
George Russell e Lewis Hamilton, dupla de pilotos britânicos da Mercedes na F1 Imagem: Mark Thompson/Getty

Colaboração para o UOL, em São Paulo (SP)

28/06/2022 13h47Atualizada em 28/06/2022 17h51

O piloto George Russell, companheiro de Lewis Hamilton na Mercedes, exaltou o heptacampeão da Fórmula 1 e condenou o comentário racista feito por Nelson Piquet. No Twitter, o britânico de 24 anos classificou a fala do ex-piloto brasileiro como "inaceitável" e pregou união contra "qualquer tipo de discriminação".

"Imenso respeito a Lewis Hamilton. Ele fez mais pelo esporte do que qualquer outro piloto na história, não apenas na pista, mas também fora dela. O fato de que ele e tantos outros ainda estão tendo que lidar com esse comportamento é inaceitável", escreveu o piloto.

"Todos nós precisamos nos unir contra qualquer tipo de discriminação", completou Russell.

Ontem, o tricampeão mundial Nelson Piquet voltou aos holofotes depois que uma entrevista de novembro de 2021 foi recuperada e viralizou na internet. Ao jornalista Ricardo Oliveira, o ex-piloto brasileiro chamou Hamilton de "neguinho", termo racista utilizado de forma pejorativa ou com a intenção de ofender.

A repercussão do comentário foi internacional e fez com que o britânico de 37 anos respondesse à ofensa em português. "Vamos focar em mudar a mentalidade", disparou Hamilton.

Na sequência, o piloto da Mercedes complementou. "É mais do que linguagem. Essas mentalidades arcaicas precisam mudar e não têm lugar no nosso esporte. Fui cercado por essas atitudes e um alvo durante toda a minha vida. Houve muito tempo para aprender. Chegou a hora da ação", afirmou Hamilton.

Mais tarde, Charles Leclerc, da Ferrari, se manifestou sobre o episódio em postagem nas redes sociais.

"Conhecendo o Lewis desde que eu cheguei na Formula 1, ele sempre foi extremamente respeitoso comigo e com todos que conheceu. Estes valores deveriam ser o padrão para qualquer pessoa do mundo. Os comentários feitos sobre Lewis não serão tolerados, e nós continuaremos lutando por um esporte mais diverso e inclusivo. Nós precisamos remover a discriminação e a linguagem racista de toda a sociedade, não apenas no esporte", escreveu em seu Twitter oficial.

A Fórmula 1, a Federação Internacional de Automobilismo (FIA) e a Mercedes repreenderam o termo racista utilizado por Piquet. Neste mês de junho, o heptacampeão da categoria recebeu o título de cidadão honorário brasileiro.

O que Nelson Piquet disse?

Ao comparar os acidentes envolvendo Ayrton Senna e Alain Prost, em 1990, e o que ocorreu no ano passado, entre Hamilton e Verstappen, no GP da Inglaterra, o brasileiro utilizou várias vezes o termo "neguinho" para se referir ao britânico. O trecho da entrevista foi publicado pelo canal 'Enerto', especializado em automobilismo.

"O neguinho [Lewis Hamilton] meteu o carro e não deixou [Verstappen desviar]. O Senna não fez isso. O Senna saiu reto. O neguinho meteu o carro e não deixou. O neguinho deixou o carro porque não tinha como passar dois carros naquela curva. Ele fez de sacanagem. A sorte dele foi que só o outro [Verstappen] se fodeu. Fez uma puta sacanagem", afirmou o tricampeão mundial.

Fórmula 1