PUBLICIDADE
Topo

Esporte

Cinco anos após acidente, Maya Gabeira ainda sofre com traumas

Maya Gabeira entra no Livro dos Recordes por onda surfada em Portugal - Reprodução/Instagram
Maya Gabeira entra no Livro dos Recordes por onda surfada em Portugal Imagem: Reprodução/Instagram

Do UOL, em São Paulo

13/11/2018 11h42

Cinco anos após sofrer o grave acidente que a deixou perto da morte, a surfista Maya Gabeira disse que ainda carrega traumas e atualmente tem uma posição mais cautelosa no momento em que se depara com ondas consideradas perigosas.

“Na verdade, eu ainda não venci, eu tenho esse medo. É uma questão hoje na minha vida. Eu já tinha medo de ondas grandes antes. Agora tenho medo com a noção do que você pode vivenciar de fato e tudo aquilo que você pode passar depois. Tenho muito mais medo agora do que eu faço. Então eu tento treinar mais, me preparar mais, tomar decisões mais conscientes, para ter munição para me sentir mais confortável”, declarou a surfista em entrevista ao programa Encontro com Fátima Bernardes, da "TV Globo".

Leia também:

A apresentadora Patrícia Poeta perguntou a Maya se ela recusa ondas hoje em dia e a surfista não teve dúvidas ao responder: “Depois do acidente eu me dou o direito de falar não para uma onda”. A brasileira ainda faz um trabalho de recuperação para os traumas psicológicos que ficaram.

"Foi super difícil. Primeiro porque passei por um processo físico, já que eu tinha lesões sérias para me recuperar. O começo foi bem físico, cirurgias, reabilitação. Então eu não cheguei a entender totalmente o trauma psicológico que eu teria do evento. Ano passado, em abril, quando eu estava no auge da minha performance, entendendo que eu voltaria a surfar ondas gigantes, foi quando a minha cabeça começou a me deixar doente. Foi quando eu entendi que eu estava, finalmente, vivenciando o trauma psicológico. Eu tinha crise de vômito, dores de cabeça. Tinha muita dificuldade de ir em lugares com muitas pessoas, ficava confusa. Como se fosse uma confusão mental. Tive que me distanciar dos estresses da vida. Eu estava super bem fisicamente, mas minha cabeça não estava bem. Foi durante a temporada, recuperando a minha confiança dentro d’água que comecei a melhorar a minha cabeça. Acho que era uma baixa estima, medo de vivenciar aquilo de novo, de falha", declarou Maya.

No início do mês de outubro, Maya Gabeira entrou no Guinness Book, o livro dos recordes, justamente por surfar a maior onda ilimitada entre as mulheres. Em janeiro deste ano, ela foi a Nazaré, em Portugal, e surfou uma onda de 20,7 metros.

Nazaré tem um significado forte para Maya, porque foi justamente onde ela sofreu o acidente em 2013. A brasileira quase morreu ao cair enquanto surfava uma onda gigante. Quando foi resgatada, os socorristas precisaram aplicar técnicas de ressuscitação cardiopulmonar para reanimá-la.

Esporte