PUBLICIDADE
Topo

Esporte

Acidentes marcam categorias de formação de pilotos; relembre casos

Billy Monger sofreu um grave acidente na Fórmula 4 britânica em 2017 e perdeu as pernas, mas não abandonou a carreira - @BillyMonger/Twitter
Billy Monger sofreu um grave acidente na Fórmula 4 britânica em 2017 e perdeu as pernas, mas não abandonou a carreira Imagem: @BillyMonger/Twitter

Do UOL, em São Paulo

21/11/2018 04h00

O automobilismo é um esporte que se caracteriza pelas altas velocidades – e, por isso, pelo risco ao qual submete seus atletas. Mesmo em categorias de destaque internacional, como Fórmula 1, Fórmula Indy, DTM e Nascar, pilotos de extensos currículos estão sujeitos a acidentes.

Nas categorias de formação, as batidas são igualmente comuns. Muitas vezes, a soma de pilotos inexperientes e carros velozes provoca pancadas impressionantes. Inclusive com lesões graves.

O caso mais recente foi protagonizado por Sophia Floersch. Durante a edição de 2018 do Grande Prêmio de Macau, tradicional prova que reúne pilotos da Fórmula 3 de todo o mundo, a alemã da equipe Van Amersfoort Racing viu seu carro decolar após um toque e se chocar contra uma estrutura fora da pista a cerca de 276 km/h. A pancada provocou uma fratura em uma vértebra da piloto, que já passou por uma bem-sucedida cirurgia.

Leia também:

Mas o acidente de Sophia não foi caso isolado nas temporadas recentes de categorias de formação. Nos últimos anos, mesmo nomes conhecidos também se envolveram em batidas. Confira:

Os acidentes no caminho ao topo

  • Reprodução

    Max Verstappen (HOL)

    O Circuito da Guia, palco do Grande Prêmio de Macau, já pegou até mesmo pilotos que mostraram bons resultados em categorias maiores. Em 2014, Max Verstappen - então piloto da Van Amersfoort Racing, a mesma equipe de Sophia Floersch - sofreu um acidente durante a primeira corrida da programação. A batida não foi grave, mas o ficou carro parado no travado hairpin da pista e atrapalhou inclusive os outros que vinham atrás. Longe da gravidade da pancada da alemã, mostrou que Macau é uma pista que exige dos competidores.

  • Reprodução

    Lance Stroll (CAN)

    Na temporada 2015 da Fórmula 3 europeia, durante a segunda corrida da etapa de Monza (Itália), Lance Stroll também se destacou por um susto. Ao se enroscar com o carro de Antonio Giovinazzi, o canadense levou a pior, capotou e atingiu o guard-rail antes de parar do lado de fora da pista. O hoje piloto da Williams ficou com o quinto lugar naquele campeonato, enquanto Giovinazzi perdeu o título para o sueco Felix Rosenqvist.

  • Sergio Canamasas (ESP)

    Entre 2012 e 2017, o espanhol Sergio Canamasas sofreu para tentar bons resultados na GP2 ? que virou Fórmula 2 em seu último ano na categoria. Em 2016, durante a primeira corrida da etapa de Monza, o então piloto da Carlin ainda se envolveu em um acidente impressionante: ao dividir uma curva com o francês Arthur Pic, foi tocado e capotou.

  • Billy Monger (GBR)

    Nos últimos anos, é provável que nenhum piloto tenha protagonizado um acidente de tanta repercussão quanto o jovem britânico. Durante a terceira corrida da etapa de Donington Park na temporada 2017 da Fórmula 4 britânica, Monger atingiu violentamente a traseira do carro do finlandês Patrik Pasma, que estava parado na pista. Monger perdeu as pernas, mas não abandonou a carreira. Em 2018, de volta às pistas, disputou a temporada da Fórmula 3 britânica, com direito a quatro pódios em 24 corridas. Foi o sexto colocado da competição. Leia mais

  • Harrison Scott (GBR)

    O primeiro ano do britânico no automobilismo dos EUA foi marcada por um susto. Em 14 de julho, Scott disputava o Grande Prêmio de Toronto, etapa da temporada 2018 da Pro Mazda, uma das categorias de acesso à Fórmula Indy. Na primeira corrida da rodada dupla, perdeu o controle após um toque, atingiu a traseira de outro carro e decolou. Apesar do susto, ele nada sofreu. Leia mais

Esporte