PUBLICIDADE
Topo

Esporte

Quem são as modelos que largaram a profissão para virarem caddies de golfe

Do UOL, em São Paulo

13/04/2021 11h46

Trocar as passarelas pelos campos de golfe é como sair "da água para o vinho". E é isso que várias modelos estão fazendo nos EUA.

Tudo começou em 2007, quando Laura Diane, ex-showgirl do grupo Pussycat Dolls, criou uma empresa chamada Platinum Tees junto ao marido Jay Rebholz - eles já eram donos de uma agência de modelos.

O objetivo do novo negócio era fazer com que golfistas contratassem o serviço para ter as mulheres como caddies - responsáveis por ajudar os esportistas durante jogos com o carrinho, o carregamento de utensílios (como tacos) e até com dicas sobre os materiais a serem utilizados.

A ideia começou de maneira tímida, mas hoje várias modelos que usavam o golfe para complementar a renda mudaram de profissão.

"Queríamos criar um método de modelos ganharem algum dinheiro extra quando os eventos e as sessões de fotos estivessem em baixa. Iniciamos como uma boa maneira de as modelos ganharem dinheiro extra. Agora, muitos de nossos modelos são caddies em tempo integral", disse Laura ao The Sun.

Mais de R$ 1 mil por partida

Além de parcerias exclusivas com astros do golfe, a Platinum Tees já participou de mais de 300 torneios mundo afora.

Em um único jogo, as caddies recebem entre 150 e 175 libras (de R$ 1,1 mil a R$ 1,4 mil). As taxas dependem da cidade em que as reservas são feitas.

"Um jogador pode esperar uma hospitalidade incrível de uma de nossas caddies, sempre bonitas e experientes no golfe. Elas são embaixadoras da diversão e tornam qualquer dia no campo memorável", falou Laura.

"Temos convidados que dizem: 'nunca joguei tão bem em toda a minha vida! Eu estava nervoso por ter um caddie tão bonita comigo, mas descobri que ela realmente me tornou um jogador de golfe melhor'", finalizou ela ao veículo.

Esporte