PUBLICIDADE
Topo

Esporte

Reforço do São Paulo ia a jogos de Ceni em Sinop e é fã de Ronaldinho

Igor Vinícius reforça o São Paulo em 2019 - Divulgação / saopaulofc.net
Igor Vinícius reforça o São Paulo em 2019 Imagem: Divulgação / saopaulofc.net

24/12/2018 10h41

Os cabelos compridos do pequeno Igor Vinícius entregavam: o maior ídolo da infância do novo lateral-direito do São Paulo era Ronaldinho Gaúcho, que assombrava o mundo com dribles e golaços pelo Barcelona. Mas, morando em Sinop-MT, não haveria como não ter ligação com um outro craque do futebol brasileiro, este bem ligado ao clube que o jovem de 21 anos defenderá a partir de janeiro.

Sinop, terra natal de Igor Vinícius, é a cidade em que Rogério Ceni começou a carreira como jogador de futebol. É bem difícil morar lá e não ser fã do maior goleiro-artilheiro da história, nascido em Pato Branco-PR, mas campeão estadual pelo Sinop Futebol Clube em 1990 e hoje tema de um museu no município.

"Quando o Rogério vem, ele faz um jogo beneficente no estádio da cidade e a gente sempre vai. O Igor gostava de ver o Rogério jogar. Quando tinha o jogo, sempre me pedia para levar", conta Edenir, a mãe de Igor Vinícius, que continua morando em Sinop e trabalha como zeladora.

"O Igor nunca foi de falar o time dele. Ele era muito fanático pelo Ronaldinho Gaúcho, falava que seria jogador quando crescesse e tinha um cabelo comprido que não deixava cortar de jeito nenhum. Onde tinha bola, ele queria estar junto. Tinha dia que dava 9, 10 horas da noite e esse menino não estava em casa. Eu saía igual a uma louca procurando", lembra a mãe orgulhosa, que foi fundamental para a realização do sonho do filho.

Tudo começou quando ela foi surpreendida ao ver o garoto ser premiado na escola.

"Eu nem sabia que ele jogava bola bem. Eu nem gostava que ele jogasse, porque era muito magrinho... Quando ele tinha uns oito anos, teve um campeonato estudantil e mandaram um bilhete pedindo para comparecer no ginásio porque teria a premiação. Entregavam troféu para um, para outro e nada do Igor. Aí descobri que ele foi considerado o melhor jogador de todas as escolas. Foi aí que ele falou: "Está vendo, mãe?", conta Edenir.

O pai de um amigo de Igor, fascinado com a habilidade do garoto, se ofereceu para pagar a mensalidade da escolinha do Santos em Sinop. E o jovem logo mostrou que sair da cidade em busca de seu sonho seria questão de tempo.

"Ele começou a fazer a escolinha, fez um peneirão e passou para ir jogar em São Paulo. Nós tivemos que correr atrás de patrocínio para pagar a viagem. Eu, ele e uma sobrinha saímos de empresa em empresa pedindo ajuda. Ele tinha que conseguir o dinheiro para todas as despesas, não era pouco, mas uma empresa dava 50, outra dava 100 e até passou da quantia que precisava", narra a mãe.

"Ele acabou não ficando em São Paulo, veio embora de volta. Quando foi jogar um campeonato em São José do Rio Claro, que é uma cidade aqui perto, o Maurício gostou dele jogando e pegou meu número. O Maurício é o empresário que está com ele até hoje, virou como se fosse um pai para ele", continua.

Foi com o empresário Maurício Chiodin que Igor Vinícius deixou a escolinha do Santos em Sinop e foi para a Baixada Santista, aos 11 anos, integrar as categorias de base do clube. A mãe não queria permitir que o filho saísse de casa com um agente que havia conhecido havia pouco tempo, mas se lembra até hoje das palavras que a convenceram: "Mãe, se a senhora não deixar eu ir e meu sonho não se realizar, a culpa vai ser sua".

O sonho se realizou. Igor fez duas partidas como profissional do Santos em 2016, foi para o Ituano e disputou a última Série B emprestado à Ponte Preta. Foi aí que chamou a atenção do São Paulo e, por alguns dias, foi mais celebridade em Sinop do que Rogério Ceni.

"Quando saiu na internet que ele tinha acertado com o São Paulo foi demais. O que eu recebi de ligação... Os repórteres todos querendo entrevistá-lo quando ele chegasse de férias. Agora tenho vontade de ir ver um jogo dele em São Paulo", lembra Edenir, que está prestes a receber um presente do filho como gratidão por toda a ajuda:

"Ele comentou que esse ano vai ver de comprar a nossa casa, porque a gente mora de aluguel. O sonho dele desde criança era comprar uma casa para mim".

Esporte