PUBLICIDADE
Topo

Esporte

Mauro: Guardiola faz trabalho incrível, mas prêmio Fifa prioriza uma final

Colaboração para o UOL, em Santos (SP)

19/01/2022 04h00

Além de apontar uma falta de credibilidade no prêmio de melhor jogador do mundo da Fifa, o colunista do UOL Esporte Mauro Cezar também fez críticas à votação de melhor técnico da última temporada. Na opinião do jornalista, Pep Guardiola, técnico do Manchester City, foi "ignorado" na premiação e merecia ter ficado com o troféu.

"Pep Guardiola foi ignorado. Thomas Tuchel, seu algoz na final da Liga dos Campeões, foi eleito. É curioso. Por mais importante que seja a Liga dos Campeões, com o Tuchel fazendo um ótimo trabalho e merecedor do título, de lá para cá tanta coisa aconteceu...", inicia.

"O Guardiola estava um ponto atrás do Chelsea no dia 1º de dezembro, mês mais complicado na Inglaterra porque é o que mais jogam. E mesmo com todas as dificuldades, engatou uma sequência de vitórias e o Manchester City não perde no Inglês desde outubro; e não só superou o Chelsea na liderança como abriu 13 pontos ao derrotar o próprio Chelsea", recorda.

Mauro Cezar critica o fato de o técnico vencedor da Liga dos Campeões geralmente ficar com o prêmio e classifica como "questionável" o colégio eleitoral da Fifa.

"O Guardiola vai fazendo um trabalho extraordinário no City, e a avaliação se resume a uma final. Uma grande final? Claro. É a final do maior torneio de futebol entre clubes do mundo. Mas, se você olhar toda temporada, é estranho que ele seja ignorado", diz.

"Mas da mesma maneira que um jogador que faz muitos gols tem chance de ganhar o prêmio e os jogadores de outras posições têm chances remotas, o técnico campeão quase sempre sai numa pole position, e ainda com alguns segundos de vantagem. Fica muito difícil de ele ser superado numa situação como essa, até porque o colégio eleitoral da própria premiação da Fifa, convenhamos, é muito questionável", completa.

Esporte