PUBLICIDADE
Topo

Atlético-MG

R. Oliveira cita união para "aguentar porradas" após vexame do Atlético-MG

Ricardo Oliveira encerrou jejum de 15 jogos sem marcar, mas Galo decepcionou de novo neste início de ano - Douglas Magno/AFP
Ricardo Oliveira encerrou jejum de 15 jogos sem marcar, mas Galo decepcionou de novo neste início de ano Imagem: Douglas Magno/AFP

Do UOL, em Belo Horizonte

27/02/2020 00h04

Classificação e Jogos

Nesta noite de quarta-feira, o Atlético-MG viveu um dos seus maiores vexames na história da Copa do Brasil. Após empatar em 2 a 2 com o Afogados, de Pernambuco, o Galo foi eliminado nos pênaltis por 7 a 6 e deixou a competição já na segunda fase do torneio. De fora também da Copa Sul-Americana, o Atlético terá agora somente o Campeonato Mineiro e o Brasileirão pela frente. Ciente de que as críticas aumentarão ainda mais, Ricardo Oliveira falou em união do grupo com o técnico Dudamel para superar o momento.

"Nós falamos e nós treinamos. Não é da grandeza do Atlético passar por isso. Temos que unir nossas forças, não tem outra coisa. É abraçar o treinador e treinar para aguentar a porrada, porque as críticas que chegarão são justas. Mas o momento é de se fechar entre nós para suportar tudo que vem pela frente", disse o atacante.

Reserva na partida, Ricardo entrou no segundo tempo e acabou marcando o gol de empate do Galo. Na disputa de pênaltis, ele também converteu sua cobrança, mas viu a equipe amargar a eliminação após abrir 2 a 0. Além da queda, o técnico Rafael Dudamel ainda terá que lidar com uma pressão ainda maior que poderá custar seu posto de treinador do time.

"Temos que abraçá-lo porque a responsabilidade é dividida por todos nós. Todo mundo tem sua parcela de culpa, é o momento de unir nossas forças, ser forte e aguentar essas críticas. Infelizmente estamos muito abaixo da grandeza do Atlético", concluiu o veterano.

Atlético-MG