Topo

Esporte


Em áudio, Emiliano Sala diz que não queria trocar Nantes por Cardiff City

A amigo, atacante argentino credita transferência a desejo de presidente do Nantes, Waldemar Kita - SEBASTIEN SALOM GOMIS / AFP
A amigo, atacante argentino credita transferência a desejo de presidente do Nantes, Waldemar Kita Imagem: SEBASTIEN SALOM GOMIS / AFP

Do UOL, em São Paulo

23/05/2019 17h41

Em áudio divulgado ontem pelo jornal francês L'Équipe, o atacante argentino Emiliano Sala, vítima de um acidente aéreo em janeiro no Canal da Mancha, afirma não tinha interesse em trocar o Nantes pelo Cardiff City.

Sala, que defendeu o Nantes entre 2015 e o começo de 2019, havia acertado em janeiro sua transferência para o Cardiff City, clube galês que disputava o Campeonato Inglês. No entanto, em 21 de janeiro, o avião que transportava o atleta desapareceu sobre o mar entre França e Inglaterra; seu corpo foi resgatado e identificado em 7 de fevereiro.

No áudio divulgado pelo jornal francês, datado de 6 de janeiro, o argentino fala com um amigo sobre uma conversa que teve um dia antes com Meissa N'Diaye, seu agente. Na ocasião, revela que Franck Kita, diretor do Nantes, havia dito que ele seria vendido para o Cardiff. E, embora admitisse que seria um "bom contrato", Sala deixou claro que as perspectivas na nova equipe não eram interessantes.

O principal alvo do descontentamento de Sala com a transferência era Waldemar Kita, presidente do Nantes e pai de Franck. Para o jogador, era ele o responsável pela negociação.

"Eu não quero falar com (Waldemar) Kita porque não quero ficar nervoso. É uma pessoa que me desagrada quando está na minha frente. Hoje, ele quer me vender ao Cardiff, porque conduziu uma super negociação. Ele vai receber o dinheiro que quer. Ele quer que eu me vá, nem me perguntou. Nada interessa mais a ele do que o dinheiro", diz Sala.

"É assim que a coisa está, é tudo uma zona. Fora isso, não sei mais nada. Não sei o que fazer, porque, como te digo, sou eu quem tenho que me levantar da cama todas as manhãs e ver a cara dessa pessoa. Mas ninguém olha para mim, para dentro de mim, ao que tenho que me submeter. É muito duro, muito duro, porque tenho a impressão de que não há muita gente que se coloca no meu lugar", declarou também.

Confrontado pela publicação, Waldemar Kita se disse "surpreso e desapontado" com a gravação. E se defendeu das declarações de que estaria interessado apenas no dinheiro que a saída de Emiliano Sala renderia aos cofres do Nantes.

"Eu nem quero este dinheiro, e talvez nunca encoste nele", disse Kita. "Eu me comporto da melhor maneira que posso com as pessoas, mas preciso aceitar que os outros possam pensar diferente. Infelizmente, este estúpido acidente aconteceu. Ele era um garoto e era muito educado. Se ele não tivesse falecido, acho que ele estaria muito feliz hoje", acrescentou.

Corpo resgatado no avião em que estava Sala é levado para Inglaterra

AFP

Mais Esporte