PUBLICIDADE
Topo

Notícias em primeira mão dos bastidores do futebol, informações exclusivas sobre o seu time, novidades do mercado da bola e o melhor do jornalismo esportivo em um só lugar. Só para assinantes UOL!

Para ter Petros, SP paga dívida do Corinthians com empresário até 2020

Petros, volante do São Paulo, comemora gol marcado contra o Corinthians pelo Campeonato Brasileiro - Daniel Vorley/AGIF
Petros, volante do São Paulo, comemora gol marcado contra o Corinthians pelo Campeonato Brasileiro
Imagem: Daniel Vorley/AGIF
Exclusivo para assinantes UOL

Do UOL, em São Paulo

27/10/2017 04h00

Para fechar a contratação de Petros, o São Paulo precisou pagar uma dívida que o Corinthians tinha com o empresário Fernando Garcia. A De Primeira teve acesso aos contratos do Tricolor com o Betis, da Espanha, e com o Hortolândia, clube que tem ligação com o agente. Os espanhóis tinham 50% dos direitos econômicos do atleta e receberam 2,5 milhões de euros (R$ 9,37 milhões). Como o Corinthians também tinha um percentual, era necessária a anuência do clube do Parque São Jorge para que o meio-campista pudesse assinar o vínculo com o Tricolor.

Dono de 25% dos direitos por meio do Hortolândia, Fernando Garcia era credor de cerca de R$ 4 milhões do Corinthians por conta de uma dívida envolvendo negociações anteriores pelo zagueiro Vílson, o meia Matheus Pereira e do próprio Petros. Por isso, o Alvinegro abriu mão de sua parte da transação com o São Paulo, que acertou o pagamento de 1,5 milhão de euros em 40 parcelas de 37,5 mil euros direto ao clube do interior. A primeira prestação teve vencimento no dia 30 de julho e a última será no dia 30 de novembro de 2020. Ficou acordado que o pagamento deve ser feito com a cotação do real entre R$ 3,30 e no máximo R$ 4,10. (Por Diego Salgado e José Eduardo Martins)

São Paulo abre contrato de Cipriano após pedido da Justiça

O São Paulo acatou uma ação cautelar de exibição de documentos e apresentou à Justiça o contrato de compra do meia-atacante Marquinhos Cipriano, atualmente no time sub-20. O Tricolor investiu R$ 1 milhão para comprar 70% dos direitos econômicos do Desportivo Brasil em 2015.

O documento era solicitado pela LP Sports, escolinha de futebol onde Cipriano começou a jogar e que o levou ao Desportivo. A LP alega ser dona de 20% dos direitos do garoto e que essa divisão está documentada, mas que foi ignorada quando o Desportivo foi comprado pelos chineses do Shandong Luneng. (Por Bruno Grossi)

São Paulo: Dívida faz banco aparecer no boleto de sócios

Os sócios do São Paulo estranharam o boleto de mensalidade deste mês. No local destinado ao beneficiário estava o nome do "Banco Rendimento S/A" em vez do clube. Segundo apurou a De Primeira, tal procedimento foi adotado por conta de uma dívida que o Tricolor tem com a instituição financeira. Segundo o balanço são-paulino, havia um débito a ser feito em setembro deste ano, sendo que o clube tinha R$ 2.5 milhões de circulante e R$ 1.8 milhões de não circulante com o Banco Rendimento. De acordo com integrantes do departamento financeiro tricolor, o clube tem operação com a instituição até 2019, que necessitava da troca de garantias. Por isso, os boletos foram impressos neste mês desta maneira. (Por José Eduardo Martins)

STJD: Casa nova (e própria)

O Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) recebeu uma boa notícia da CBF na noite da última quinta-feira (26). Durante abertura do evento "Todos Juntos Contra a Violência", a entidade informou que o Tribunal ganhará uma nova casa. E própria, se livrando do alto aluguel que paga pelo imóvel atual da Rua da Ajuda, no Centro do Rio de Janeiro. O diretor jurídico da CBF, Carlos Eugênio Lopes, foi o responsável por contar a novidade ao presidente do STJD, Ronaldo Piacente. Ainda não se sabe a data da mudança, apenas detalhes de localização. "Será uma boa sala de 500 metros² no Centro do Rio", disse Piacente. A manutenção no bairro se deu por conta dos diversos integrantes de outros estados que chegam ao local por meio dos aeroportos próximos. (Por Pedro Ivo Almeida)

Gre-Nal de 2018 deve ter árbitro de vídeo

O primeiro Gre-Nal de 2018 deve ter árbitro de vídeo. O clássico, ainda sem data para ocorrer, será realizado no Beira-Rio e válido pela fase de classificação do Gauchão. Nas últimas semanas, FGF (Federação Gaúcha de Futebol), Inter e Grêmio trocaram ideias sobre a ferramenta, custos e modo de operação. O valor para utilização deverá ser pago pelos clubes. O Gre-Nal ainda depende do fim da temporada (leia-se desempenho do Grêmio é possível ida ao Mundial de Clubes) para que o calendário seja acertado. Se o Tricolor viajar a Abu Dhabi, o jogo acontecerá no meio de fevereiro. (Por Jeremias Wernek)

Cruzeiro projeta nova camisa em jogo com o Atlético-PR

O Cruzeiro estreará o terceiro uniforme de 2017 diante do Atlético-PR, em 5 de novembro, no Mineirão. A informação foi confirmada pelo diretor comercial Robson Pires à coluna De Primeira. O dirigente revelou que a ideia é utilizar uma camiseta "monocromática" em relação aos patrocinadores. A cor predominante será o azul, mas as logomarcas de Caixa Econômica Federal, Vilma Alimentos, Cemil e Supermercados BH serão estampadas na mesma cor - branco - no uniforme. (Por Thiago Fernandes)

Homem-forte na Copa América não deve ser Del Nero

O Comitê Organizador da Copa América de 2019, que será realizada no Brasil, não deve ter o presidente da CBF como seu chefe, como ocorreu com o COL da Copa-2014. É Rogério Caboclo, diretor-executivo da CBF, o mais cotado para presidir o comitê que será responsável por organizar o torneio daqui menos de dois anos. Dois são os motivos para que Marco Polo Del Nero fique fora do COL da Copa América. Primeiro é que em 2018 haverá eleição para a CBF. Apesar de o cartola ser favorito à reeleição, a diretoria do COL deve ser formada antes do pleito, portanto avaliou-se ser ruim o presidente assumir um cargo no comitê. O segundo é que houve desgaste antes, durante e depois da Copa-2014 pelo fato de o presidente da CBF também presidir o COL — Ricardo Teixeira, José Maria Marin e por último Del Nero acumularam os cargos. Além de Caboclo, o Comitê contratará um executivo para cuidar principalmente da parte operacional — Ricardo Trade, CEO do COL do Mundial 2014, é cotado. (Por Marcel Rizzo)