PUBLICIDADE
Topo

Esporte

Um turno após reinado curto e caótico no Brasileirão, São Paulo revê Vasco

Tréllez, que será titular nesta quinta, comemora o gol em vitória do São Paulo o Vasco - Marcello Zambrana/AGIF
Tréllez, que será titular nesta quinta, comemora o gol em vitória do São Paulo o Vasco Imagem: Marcello Zambrana/AGIF

José Eduardo Martins

Do UOL, em São Paulo

22/11/2018 12h00

O São Paulo enfrenta o Vasco nesta quinta-feira (22), às 20h, em São Januário, em uma situação muito diferente do que quando bateu a equipe carioca pelo primeiro turno do Campeonato Brasileiro. No dia 5 de agosto, em um Morumbi com mais de 50 mil torcedores, o Tricolor paulista venceu o time Cruzmaltino por 2 a 1 e assumiu a liderança do nacional. Mais de três meses depois, muitra coisa mudou. Após um reinado curto e caótico na nacional, o clube do Morumbi teve de se contentar com a disputa de uma das vagas para a fase de grupos da Copa Libertadores.

Quando superou o Vasco, o São Paulo pôde comemorar a primeira colocação na competição - fato que o torcedor não celebrava desde a sétima jornada de 2015. A empolgação seguiu por mais cinco partidas (triunfos sobre Sport, Chapecoense e Ceará e empates com Paraná e Fluminense). O sinal de alerta, porém, acendeu com a derrota para o Atlético-MG fora de casa e a queda para o segundo lugar. 

Outro momento de euforia aconteceu na 25ª rodada, no dia 16 de setembro, quando um empate por 0 a 0 com o Santos alçou novamente o time do Morumbi para a liderança. Porém, esse domínio foi ainda mais curto - ao ficar no 2 a 2 com o Botafogo, no dia 30 de setembro, pela 27ª jornada, a equipe caiu para a terceira colocação.

Ao comparar os números até o jogo do primeiro turno contra o Vasco e o restante da competição, é possível perceber a discrepância no desempenho do São Paulo. Ao ganhar do clube carioca, o Tricolor paulista havia passado a somar 35 pontos conquistados em 17 partidas (dez vitórias, cinco empates e duas derrotas), com 27 gols marcados, 15 sofridos e 68,62% de aproveitamento. Na sequência do torneio, foram 27 pontos ganhos em 18 jogos (seis vitórias, nove empates e três derrotas), com 19 tentos feitos, 16 sofridos e 50% de aproveitamento.

Alguns fatores podem ajudar a explicar essa queda na performance do São Paulo. Por causa de lesões musculares na coxa esquerda, Everton passou a maior parte do segundo turno sem conseguir atuar os 90 minutos de uma partida. Depois da abertura do returno contra o Paraná, em 22 de agosto, o primeiro jogo inteiro do ponta foi no empate com o Grêmio, no dia 15 de novembro.

Militão, considerado um dos pontos de referência na equipe, deixou o São Paulo para se transferir para o Porto. O lateral-direito disputou o seu último jogo com a camisa do Tricolor justamente no triunfo sobre o Vasco. Na sequência, foi substituído por Bruno Peres, que se habituava ainda o clube, e em algumas partidas até o zagueiro Rodrigo Caio precisou ser adaptado no setor.

Outro jogador que caiu de produção foi Nenê, que deixou de ser titular absoluto. Após o triunfo sobre o Vasco, ele participou de 16 jogos e marcou dois gols - antes havia balançado as redes seis vezes em outros 16 confrontos. 

Com o time longe de repetir as boas atuações da primeira parte do Brasileirão, Diego Aguirre foi demitido do São Paulo. O clube promoveu o auxiliar André Jardine para o posto. Agora, o Tricolor briga com o Grêmio para ver quem acaba na quarta posição do nacional e fica com a vaga na fase de grupos da Libertadores.

Ficha técnica

Campeonato Brasileiro - 36ª rodada

FICHA TÉCNICA
VASCO DA GAMA x SÃO PAULO

Data: 22 de novembro de 2018
Horário: 20h (Brasília)
Local: São Januário, no Rio de Janeiro (RJ)
Árbitro: Anderson Daronco (RS)
Auxiliares: Rafael da Silva Alves (RS) e Cleriston Clay Barretos Rios (SE)

Vasco: Fernando Miguel (Martín Silva); Luiz Gustavo, Leandro Castán, Werley e Henrique; Desábato, Andrey, Thiago Galhardo, Pikachu e Maxi López (Kelvin); Andrés Rios. Técnico: Fernando Miranda.

São Paulo: Jean; Bruno Peres, Rodrigo Caio, Arboleda e Reinaldo; Hudson, Jucilei e Nenê; Helinho, Tréllez e Everton. Técnico: André Jardine.

Esporte