PUBLICIDADE
Topo

Esporte

Desculpas a Cuca e falta de mercado abrem chance para Felipe Melo voltar

Felipe Melo pode voltar a integrar o elenco do Palmeiras - Agência Palmeiras
Felipe Melo pode voltar a integrar o elenco do Palmeiras Imagem: Agência Palmeiras

Danilo Lavieri e José Eduardo Martins

Do UOL, em São Paulo

28/08/2017 04h00

Felipe Melo voltou a ser uma opção no Palmeiras. E alguns fatores são decisivos para que ele veja seu status mudar de completamente descartado a um eventual reforço para o elenco na sequência do Brasileirão. A semana sem jogos dá o tempo necessário para que novela tenha seu capítulo final. 

O fundamental foi que Cuca conversou pessoalmente com o experiente atleta e ouviu um pedido de desculpas. O áudio que vazou com o meio-campista detonando o comandante acabou tendo um efeito mais destrutivo na relação entre eles do que o episódio do Mineirão, quando os dois discutiram nos vestiários após a eliminação na Copa do Brasil diante do Cruzeiro.

Para o treinador, o fato de o atleta reconhecer os erros e pedir por perdão fazem dele uma pessoa melhor. Não houve uma reunião decisiva, mas sim um trabalho que tem sido feito a longo prazo.

Outro fator preponderante tem sido o trabalho de convencimento do diretor de futebol, Alexandre Mattos. Desde o primeiro momento, ele tenta colocar "panos quentes" na situação, especialmente por ter a contratação de Felipe como uma aposta pessoal. 

Além disso, Felipe Melo também não despertou o interesse que imaginava ao ser colocado no mercado. Como a janela de transferências fecha na próxima sexta-feira, o jogador poderia ficar encostado por período indeterminado caso não fosse ser reintegrado. 

Por fim, o atleta sempre manifestou a vontade de retornar ao elenco. Depois de ter dito em um primeiro momento que jamais trabalharia com o técnico, agora, ele reconhece que exagerou e tem deixado claro nas suas redes sociais que ainda tem carinho pelo clube. 

Se voltar, Felipe Melo não retorna como um grande problema para Cuca, mesmo que fique no banco de reservas. O mês afastado serviu de castigo para o atleta entender que o técnico tem prestígio com a diretoria e carta branca para tomar as decisões.

Esporte