PUBLICIDADE
Topo

Milton Neves

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Milton: A verdade que pouca gente aceita: o Galo-21 venceria o Fla de Jesus

Jogadores do Atlético-MG comemoram gol diante do Bragantino - TELMO FERREIRA/FRAMEPHOTO/FRAMEPHOTO/ESTADÃO CONTEÚDO
Jogadores do Atlético-MG comemoram gol diante do Bragantino Imagem: TELMO FERREIRA/FRAMEPHOTO/FRAMEPHOTO/ESTADÃO CONTEÚDO
Conteúdo exclusivo para assinantes
Milton Neves

Milton Neves é jornalista profissional diplomado, publicitário, empresário, apresentador esportivo de rádio e TV, pioneiro em site esportivo no Brasil, 1º âncora esportivo de mídia eletrônica do país, palestrante gratuito de Faculdades e Universidades, escrivão de polícia aposentado em classe especial, pecuarista, cafeicultor e é empresário também no ramo imobiliário.

05/12/2021 18h19

Meus amigos, vocês sabem que eu detesto, do fundo do meu coração, polêmicas.

Mas o assunto que vou abordar agora é, digamos, no mínimo espinhoso.

Isso porque envolve o time mais badalado e bajulado do Brasil no últimos tempos: o Flamengo de Jorge Jesus.

E merecidamente, já que o segundo semestre de 2019 foi mágico lá pelos lados da Gávea.

Mas eu tenho uma opinião um tanto quanto impopular sobre esta maravilhosa equipe rubro-negra.

Eu acho que, num confronto direto, ela não venceria o Atlético-MG campeão brasileiro deste ano.

E sabe o que leva a pensar assim?

É que o Galo é muito mais equilibrado do que o Fla de Jesus.

É consistente na defesa, no meio e no ataque.

Já o time de Jorge Jesus, apesar de contar com bons zagueiros, era muito vulnerável e, apesar de fazer muitos, também tomava uma quantidade significativa de gols (levou 37 em 2019).

Aliás, perderia também para o Palmeiras de Abel Ferreira, que saberia muito bem cozinhar o Rubro-Negro e marcar o golzinho da vitória em um contra-ataque qualquer.

Por isso, apesar de detestar polêmica, fica aqui a minha opinião espinhosa do dia.

Você concorda comigo?

Opine!

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL