PUBLICIDADE
Topo

Milo Araújo

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

A origem da bicicleta e o papel dela na liberdade para as mulheres

mediamasmedia/Getty Images
Imagem: mediamasmedia/Getty Images

Milo Araújo

13/08/2021 06h00

A bicicleta hoje é uma alternativa de transporte limpo e saudável em cidades ao redor do mundo todo. E desde sua origem foi protagonista nas lutas das mulheres por direitos, e lá pelo século 19 deixou de ser um hobby restrito a uma elite para tornar-se um produto de massa. Nesse meio tempo, foi protagonista nas lutas das mulheres por direitos e virou objeto de lazer.

A ligação entre bicicleta e meio ambiente não é nova. E por incrível que pareça, ela começa dois anos antes de sua invenção, após uma terrível anomalia climática em 1815, quando aconteceu uma das erupções vulcânicas mais devastadoras na Indonésia, no Monte Tambora.

Sua explosão pôde ser ouvida a mais de 2 mil quilômetros de distância e os efeitos que se seguiram foram catastróficos. A erupção vulcânica criou anomalias climáticas globais, espalhando partículas e ácidos nocivos aos seres pela atmosfera, reduziu as temperaturas globais e levou o ano seguinte no hemisfério norte a ser chamado de O Ano Sem Verão, em 1816.

As colheitas foram afetadas, o preço dos alimentos dispararam e a fome se alastrou. Os animais sofreram especialmente com essa situação. O gado e os cavalos morreram de fome ou tornaram-se eles próprios alimentos. Isso provocou a morte de milhares de pessoas devido à crise de fome daquele século. Em meio a toda essa desgraça, haviam
poucas alternativas de animal para o transporte e portanto era urgente novos meios de transporte que fossem menos sensíveis à fome.

Foi aí que o inventor barão alemão Karl Drais se tornou o cara que ficaria conhecido como inventor da máquina de correr, um protótipo do que é a bicicleta atualmente e que era completamente feita em madeira, tanto o quadro como as rodas, e que era impulsionado pelo operador com os pés enquanto deslizavam pela estrada sentado nela igual o carro dos The Flintstones.

Essa invenção ficou inicialmente restrita a uma pequena elite, e em Baden, na Alemanha, acabou sendo copiada e aperfeiçoada em outras partes da Europa, como na França, onde ficou conhecida como velocípede. Os primeiros modelos de bicicletas com pedais apareceram em 1837, atribuídos ao ferreiro escocês Kirkpatrick Macmillan, mas ele só viria a ser fabricado em massa por volta de 1870 na Inglaterra.

Na época, não havia correia, os pedais eram posicionados na roda dianteira, ou seja, uma volta no pedal correspondia a uma volta da roda. Para ganharem mais velocidade, modelos com rodas dianteiras cada vez maiores começaram a surgir, e pedalar com segurança virou, então, um desafio e as quedas ficaram mais violentas por conta disso,

No entanto, acredita-se que esse pioneirismo seria apenas uma propaganda de escritores britânicos para desacreditar a versão francesa. Vale lembrar que nessa época os ingleses e os franceses não se batiam muito, a guerra dos 100 anos é um exemplo disso.
Já em 1863 o modelo que serviu de base semelhante às bicicletas atuais tinha rodas do mesmo tamanho e foi comercialmente bem sucedido. Para os franceses quem inventou foi Eugene Meyer, e para os ingleses foi John Kemp Starley e seu sobrinho James Starley. O modelo então começou a se popularizar na Europa.

O escocês John Wall introduziu as rodas com pneus, essa era a peça que faltava no embalo da revolução industrial da bicicleta, que tornou-se um produto de massas. Milhões de unidades foram vendidas no fim do século 19, e o sentimento de liberdade gerado ao pedalar uma bicicleta atingiu igualmente a crianças e adultos, em especial as mulheres.

Esse modelo de bicicleta ampliou significativamente a liberdade de movimento das mulheres, assim quebrando seu isolamento social, possibilitando maneiras mais informais de interação. "Eu acho que a bicicleta fez mais para emancipar as mulheres do que qualquer outra coisa no mundo", escreveu Susan B. Antony, ativista americana, em 1896.

Em 1914, Alice Hawking, uma sufragista inglesa causou escândalo ao pedalar ao redor de toda a cidade de Leicester, de calças, promovendo o direito de voto feminino e o de uso de calças, incentivando um novo modo de vestuário mais adequado à prática entre as décadas de 1920 e 1950.

Já aqui no Brasil, em 1895, já existia um clube de ciclismo organizado pelos imigrantes alemães. Em 1896, Veridiana da Silva Prado construiu o primeiro velódromo do país onde atualmente é a Praça Roosevelt, no centro de São Paulo.

Hoje já vemos mudanças significativas em questão de tamanho de quadros, vestimentas, equipamentos para as mulheres, mas ainda tem muito o que evoluir, principalmente no quesito respeito quanto à mulher. Mas isso não deve impedir de você mulher exercer seu direito de pedalar assim como foi feito lá no princípio. Exerça o seu!

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL