PUBLICIDADE
Topo

Marina Mathey

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Queria poder sorrir sem ressalvas por ao menos dez minutos

 "Sem Título, 2008" (Gravura aquarelada).  - Lino Arruda / @monstrans_hq  /www.linoarruda.com
"Sem Título, 2008" (Gravura aquarelada). Imagem: Lino Arruda / @monstrans_hq /www.linoarruda.com
Marina Mathey

Marina Mathey é cantora, atriz e diretora. Multiartista e militante pelos direitos de pessoas trans, apresenta uma coluna com conteúdos relacionados a arte, questões sóciopoliticas e acontecimentos gerais, propondo ensaios com provocações para transver o mundo a partir de uma perspectiva não-hegemônica e inquieta.

14/07/2021 06h00

Tem sido difícil sustentar o sorriso por mais do que breves segundos.
Mal me acomete a alegria e o motivo da oposição já ressurge.
Na cabeça, muitas condições:
As dores
As mortes - já mais de 500mil
Do vírus
E das minhas irmãs
Em menos de seis meses
Mais de 80
Chacina
Sem culpa
Que por mais que avancemos insiste em nos escorrer do mundo.

Feliz ontem
E hoje
Pois permaneço viva
E dentre tantas que são derrubadas, sei que muitas mais de mim permanecem de pé
Por mais que o vento sopre
A copa balance
As folhas se soltem
Mas permanecem vivas durante o passar das estações.

Felicidade breve
Felicidade muda
Que ri, mas falha logo que amostra os dentes.
Sorrio da batalha ganha, desmonto a boca por lembrar da guerra
Compartilho cada centelha dessa alegria fugaz.
O que seria de mim se não comemorasse migalhas?
Se são elas que tenho ainda, são elas que não de arrancar
Meu riso
Meu sono
Meu sonho de multiplicá-las,
De retificá-las, mudá-las de nome.

Migalhas que viram galhas que viram mudas - de novas nozes.

De nós
De pouco em pouco, suadas
Soamos pelos cantos
E mesmo que algumas caiam
Mil tantas outras levantam
Ou apenas seguem lutando
Mesmo que aos prantos
Mesmo que em luto
Lutando pelas que ainda
Não lutam ou até nem nasceram,
Mas logo precisarão de nós.

Por poucos minutos, mas sorrio!
Queria mais tempo?
Queria!
Queria mais trampo?
Queria!
Queria não mais tanto pranto pra conseguir querer um pouco mais.

Queria poder sorrir sem ressalvas por ao menos dez minutos
Mas quem poderia ser salva
Ou quem poderia me salvar do risco
De parar apenas para sorrir?
Quem cuidaria do entorno para que eu mantivesse minha boca aberta
Quem seguraria o soco e protegeria meus dentes?
E de que adiantaria se estaria sorrindo sozinha?

Queria,
Mas enquanto não consigo
Sorrio pelo menos por dentro
Ou gargalho, quando possível
Mesmo que por um segundo
Acompanhada,
Comigo,
E agradeço por ter conseguido
Apesar de tudo
Continuar viva
E tentando prologar o tempo.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL