PUBLICIDADE
Topo

Carlos Ghosn sobre Nissan: virou uma empresa 'enfadonha e medíocre'

Carlos Ghosn - Divulgação
Carlos Ghosn Imagem: Divulgação

Do UOL

Em São Paulo (SP)

23/09/2021 16h14Atualizada em 23/09/2021 16h35

Ex-CEO da Nissan, Carlos Ghosn disse em entrevista que a montadora japonesa está fadada a ter problemas para sobreviver na indústria automotiva no futuro.

O ex-dirigente, brasileiro de nascimento, foi preso no Japão no fim de 2018 por má conduta financeira e esperava seu julgamento no país asiático, até que fugiu da detenção e saiu do país em um jato particular escondido das autoridades, em 2019. Hoje morando no Líbano, onde tem família Ghosn alega que foi vítima de um complô.

Segundo o ex-executivo, a Nissan só piorou desde a sua saída, que aconteceu, afirma, por conta da suposta resistência da montadora a uma maior colaboração dentro da aliança Renault-Nissan-Mitsubishi.

"A Nissan voltou ao que era em 1999, infelizmente, após 19 anos de trabalho", disse Ghosn ao canal de TV "Fox Business".

"É uma empresa automobilística enfadonha e medíocre, que vai lutar para tentar encontrar seu lugar na indústria. Estávamos construindo um sistema em que essa empresa faria parte de algo completamente novo, com muita inovação técnica."

A circunstância da entrevista se deu pelo fato de Ghosn estar atualmente divulgando seu livro, chamado de Broken Alliances (Alianças Quebradas) - que conta a sua versão a respeito do afastamento da companhia.

"O governo japonês e alguns executivos da Nissan pensaram que o equilíbrio existente entre os franceses e os japoneses nesta aliança não seria respeitado", disse Ghosn, acrescentando que "o governo francês estava agindo de forma a ter uma participação muito maior na aliança".

Ele ainda explicou que entrou em desespero quando observou o comportamento de juízes e promotores quando estava sob custódia no Japão. Ele conseguiu escapar, mas deixou lá o antigo vice-presidente executivo, Greg Kelly, que atualmente está em julgamento.

"Greg Kelly ainda está no Japão como refém do sistema, sendo julgado por uma única acusação de cumplicidade... é uma piada", explicou Ghosn. "Ele ainda está esperando uma decisão do julgamento que, segundo entendi, ocorrerá em março de 2022, três anos após a prisão. Isso apenas diz o quão artificial foi essa medida para impedir a fusão e o desenvolvimento desse grupo de empresas."

Quer ler mais sobre o mundo automotivo e conversar com a gente a respeito? Participe do nosso grupo no Facebook! Um lugar para discussão, informação e troca de experiências entre os amantes de carros. Você também pode acompanhar a nossa cobertura no Instagram de UOL Carros.