PUBLICIDADE
Topo

AutoData

ANÁLISE

Texto baseado no relato de acontecimentos, mas contextualizado a partir do conhecimento do jornalista sobre o tema; pode incluir interpretações do jornalista sobre os fatos.

Mesmo em home office e sem dirigir, consumidor sonha com carro zero-km

Yasmina H/Unsplash
Imagem: Yasmina H/Unsplash
Leandro Alves

Neste espaço a equipe de AutoData, sob a coordenação do diretor de redação Leandro Alves, trará os bastidores da indústria automotiva, que são de extrema importância para os negócios e o futuro do setor no Brasil e no mundo. Seu próximo carro pode passar primeiro por aqui. Antes mesmo dele existir! Conheça nosso trabalho em www.autodata.com.br

Colunista do UOL

21/05/2021 14h46

Uma camada específica de consumidores brasileiros está moldando suas preferências em meio à nova realidade trazida pela pandemia. Enquanto grande parte da população tem passado apertado pela falta de trabalho ou pela diminuição da renda, aqueles que conseguiram manter o emprego e o salário fazem planos para comprar um carro. E um carro zero-km.

Isso tem a ver com a mudança da rotina dos trabalhadores das classes A e B, que passam quase todos os dias da semana no expediente home office. São eventuais e cada vez mais raras saídas para compromissos profissionais, e o veículo próprio é a opção para 82% desse extrato importante do mercado consumidor.

Trata-se do cliente com mais de R$ 70 mil para investir em um veículo e que, também, utiliza outras opções para fazer seus deslocamentos. Táxi e aplicativo são escolhas óbvias. Em terceiro aparece as próprias pernas, ou deslocamentos a pé, com 27%, superando o uso do ônibus como transporte diário, com 26% das pessoas mantendo esse hábito mesmo não necessitando.

Esses dados foram colhidos agora, de 27 de março a 7 de abril, pela consultoria Route Automotive, que compartilhou suas primeiras conclusões com AutoData.

73% trocariam ou comprariam um carro novo hoje enquanto apenas 16% responderam que pretendem continuar com o próprio veículo nos próximos três anos.

Mesmo que, neste momento, aquele consumidor que ainda está construindo uma carreira profissional tenda a ser mais conservador na decisão de comprar um carro, quem já tem um seminovo na garagem faz a lista de suas preferências.

Por exemplo: 80% não abrem mão do ar-condicionado e 56% valorizam modelos com sensor de ré. Dentre os itens que pagaria a mais para ter no seu novo carro estão o sistema anticolisão em primeiro lugar, seguido por air-bags laterais e central multimídia.

Essa fotografia capturou alguns comportamentos e desejos do consumidor e sugere que quem ficou trabalhando em casa tem economizado e feito muitos planos. Um deles é desfrutar o seu novo veículo para o lazer. 50% esperam fazer mais isso. Em breve.

Expediente

Esses profissionais das classes AB1, segundo o estudo, estão, em média, 4,7 dias da semana trabalhando em casa.

66% dos 575 entrevistados pela Route Automotive estão mantendo a rotina profissional quase que exclusivamente em casa.

Novo normal

48% dos entrevistados acreditam que continuarão trabalhando em esquema home office depois que todos nós estivermos vacinados.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL