PUBLICIDADE

Topo

Sem Frescura: por que tem gente que come pimenta sem sofrer e eu passo mal?

Mais Sem Frescura
1 | 25
Siga o VivaBem no

Gabriela Ingrid

Do VivaBem, em São Paulo

11/05/2020 04h00

Às vezes o mundo parece se dividir entre dois grupos de pessoas: as que amam pimenta e as que odeiam. Mas qual será a explicação para isso? Será que temos alguma predisposição a gostar ou não de pimenta?

Na verdade, isso tem a ver apenas com uma coisa: o seu gosto pessoal. Não existe, necessariamente, uma relação direta com herança genética, ainda que algumas pessoas sejam mais sensíveis a gostos fortes.

O protagonista dessa história é um receptor gustativo chamado TRPV1. Ele é o responsável por "perceber" o consumo de pimenta e alertar o cérebro que as coisas vão ficar um pouco mais quentes.

Esse receptor pode ser saturado. Isso significa que a tolerância ao ardor da pimenta aumenta conforme a gente consome de maneira mais frequente esse condimento. É uma explicação para o motivo dos habitantes de países que têm pratos típicos apimentados acabarem se acostumando ao sabor da pimenta.

O lado bom disso é que, se a pessoa estiver disposta, é possível aprender a consumir a pimenta aos poucos. Assim, você treina o seu paladar, se acostumando ao sabor e também aumentando a sua tolerância à especiaria.

É uma situação bastante diferente da vista em outro condimento do tipo "ame ou odeie": o coentro. Neste caso, há influência da genética e algumas pessoas acabam sentindo gosto de sabão ao consumir essa erva.

Agora fica o alerta: por mais que a tolerância à pimenta possa "treinada", o melhor a se fazer é não exagerar. Isso porque o consumo excessivo desse condimento pode causar problemas de saúde.

A culpada por isso é a capsaicina, substância presente na pimenta e que dá o seu ardor característico. Além de ajudar no gosto, essa substância também é capaz de causar irritação em mucosas.

Entre a lista dos problemas que o consumo de pimenta em excesso pode causar estão gastrite, esofagite e colite. Pessoas com hemorroidas também devem passar longe do condimento, já que ele torna tudo mais difícil e dolorido na hora de defecar.

E quem tem problemas no coração? Comer pimenta pode causar taquicardia e aumento da pressão arterial em quem não está acostumado ao consumo do condimento. Isso ocorre mais pelo "susto" de consumir algo picante e não por uma substância específica da pimenta.

Sendo assim, se você está acostumado ao sabor e não consome de maneira exagerada, não há motivos para deixar aquela pimentinha delícia longe do prato.

Roteiro: Rodrigo Lara. Fontes: Cristiane Hanashiro, nutricionista da BP - A Beneficência Portuguesa de São Paulo; Daniel Magnoni, nutrólogo da Rede de Hospitais São Camilo de São Paulo; Renato Walch, diretor médico da Amparo Saúde e Ricardo Barbuti, gastroenterologista do Hospital Alemão Oswaldo Cruz (SP).