PUBLICIDADE

Topo

Sem Frescura: por que algumas pessoas ficam com 'casca' dura no calcanhar?

Mais Sem Frescura
1 | 25
Siga o VivaBem no

Gabriela Ingrid

Do VivaBem, em São Paulo

06/01/2020 04h00

Eu tenho certeza que você já sofreu (ou ainda sofre) com o acúmulo de pele no calcanhar. Sim, o problema é chato, feio e ajuda a alimentar a ideia de que o pé não é uma das partes do corpo mais belas. Mas a boa notícia é que essa "casca", chamada pelos médicos de hiperqueratose plantar, é perfeitamente normal e, não, não tem a ver com a pessoa tomar banho ou não.

Na verdade, ela é uma espécie de defesa do corpo para a região do calcanhar, que é bem exigida enquanto caminhamos. Sendo assim, em casos normais, pessoas que andam muito todos os dias ou costumam ficar descalças tendem a ter essa camada de pele mais grossa do que quem anda pouco ou está sempre calçado.

O problema é quando essa pele extra do calcanhar pode ter como origem infecções de fungos e até mesmo alterações hormonais, mais comuns em mulheres na menopausa.

Em alguns casos, ela ainda pode causar fissuras e deixar a região dolorida. Aí o ideal é procurar um dermatologista para avaliar a situação e indicar um tratamento.

Já em casos mais, digamos, normais, os especialistas concordam que passar cremes hidratantes e específicos pros pés ajuda a diminuir o problema.

"Ah, mas e combinar água quente e lixa ou pedra pomes para raspar a região e remover o excesso de pele?" Aqui, os especialistas divergem: uns dizem que não tem problema nenhum e que a prática ainda ajuda a remover o excesso de pele. Já outros dizem que raspar o pé pode deixar a pele do calcanhar ainda mais feia.

A decisão é sua, no fim das contas. Mas caso você esteja na dúvida e não queira arriscar, outra opção é procurar um podólogo para remover essa pele toda de forma profissional e sem riscos.

Fontes: Ana Célia Xavier, dermatologista da Rede de Hospitais São Camilo de São Paulo; Lílian Licarião, dermatologista do Fleury Medicina e Saúde e Luiz Guilherme Castro, dermatologista do Hospital Alemão Oswaldo Cruz.

Sem Frescura