Topo

Viagem

Roteiros gastronômicos


Entre tentação e religião, doces conventuais dão fama a cidades de Portugal

Pastel de nata em Portugal - Getty Images
Pastel de nata em Portugal Imagem: Getty Images

Cintia Cruz

Colaboração para o UOL

05/10/2019 04h00

Que o ouro, as navegações e as especiarias foram sinais de poder, muita gente já sabe. O que poucos imaginam é que clara de ovo também já teve este status. Durante os séculos 18 e 19, Portugal era o maior exportador do produto no mundo, que era usado para engomar as roupas elegantes de toda a Europa e também para purificar os vinhos. Mas o que se fazia com tantas gemas que sobravam?

No início, elas iam para a alimentação de animais. Com o tempo, porém, foram encontrando lugar dentro de comunidades religiosas e se tornaram o ingrediente principal dos doces portugueses.

Símbolo nacional

Os doces eram à base de gemas, açúcar (que chegava do Brasil) e amêndoas, misturados com coco, baunilha, canela e outras especiarias. Os nomes remetiam ao cotidiano delas, como queijinho do céu, barriguinhas de freira, bolo do paraíso, fatias de Santa Clara e manjar celeste.

Inicialmente consumidos internamente ou dados aos viajantes e às famílias mais nobres, foi por problemas financeiros que os doces ganharam a chance de se espalharem pelo mundo. Após Dom Pedro I (que era IV por lá) acabar com as Ordens Religiosas, no começo do século 19, a venda dos quitutes se tornou uma maneira de sobrevivência desses lugares.

As receitas secretas eram passadas oralmente entre as gerações. Muitas só foram ser descobertas séculos depois. Hoje, tornaram-se marca registrada das cidades, como os Ovos Moles de Aveiro, o primeiro doce com a distinção da União Europeia de indicação geográfica protegida.

Aqui estão 5 doces conventuais para comer rezando:

Ovos moles de Aveiro

Divulgação
Imagem: Divulgação

Onde encontrar:

Maria da Apresentação da Cruz, Herds.

Rua D. Jorge Lencastre 37. Aveiro - PT

Tel. +351 3800 141

Os ovos moles são cremes de gema com açúcar. Porém, a simplicidade de ingredientes esconde a complexidade da execução. Saber a hora certa de incluir as gemas na calda de açúcar e o momento de tirar a mistura do fogo, para que não vire um ovo mexido doce, é um processo difícil e requer anos de prática.

O resultado é um creme que fica dentro de pacotinhos de hóstias. Isso mesmo: as freiras faziam hóstias recheadas. Hoje, embora continuem sendo feitas do mesmo jeito, elas têm formatos das paisagens de Aveiro, que é conhecida como a Veneza portuguesa, no litoral norte de Portugal.

Ricardo Resende/Unsplash
Imagem: Ricardo Resende/Unsplash

A cidade é rodeada pela água, com plantações de arroz no interior e um centro histórico com prédios no estilo art nouveau que refletem nos canais, em que deslizam os moliceiros, barcos bem coloridos que carregam turistas em passeios charmosos às dunas de sal e aos bairros pitorescos dos pescadores. O Mercado do Peixe, o Museu de Aveiro e vários monumentos e igrejas da cidade podem complementar o passeio.

Pastéis de Santa Clara de Coimbra

Divulgação
Imagem: Divulgação

Pastelaria Briosa

Onde encontrar:

Rua Ferreira Borges, 211. Coimbra - PT

Tel. +351 239 821 617

São pequenos pastéis feitos de farinha de trigo, açúcar e manteiga, recheados com uma mistura pré-cozida de gemas, farinha de amêndoas torradas e açúcar. São levados ao forno até que a massa fique firme e dourada. Depois, são polvilhados com açúcar de confeiteiro, que faz um caminha doce nos lábios enquanto se morde a casca sequinha, possibilitando o encontro com o recheio cremoso e granuloso de amêndoas. Um doce que por séculos adoça a vida dos estudantes na universidade mais famosa de Portugal: Coimbra.

Egor Kunovsky/Unsplash
Imagem: Egor Kunovsky/Unsplash

Os pastéis têm esse nome pois eram produzidos no Mosteiro de Santa Clara, que mantém a arquitetura gótica do século 18. Os sinos do século 19, que tocam do alto da torre da Universidade de Coimbra, considerada patrimônio mundial pela Unesco, anuncia aos estudantes e turistas a vida acadêmica da cidade. A biblioteca Joanina, construída por Dom João V há mais de 300 anos, é uma obra-prima do barroco europeu e uma das mais lindas do mundo.

Lérias de Amarante

Divulgação
Imagem: Divulgação

Onde encontrar:

Confeitaria da Ponte

Rua 31 de Janeiro, 186. Amarante - PT

Esse doce leva apenas esses dois ingredientes: o açúcar mascavo e farinha de amêndoas. Depois de moldado, é assado e banhado em uma calda de açúcar, que finaliza o doce com uma casquinha esbranquiçada.

Com título de Cidade Criativa da Música da Unesco, Amarante é pequena e charmosa, banhada pelo rio Tâmega, que tinha muitas inundações antes da construção da ponte concebida por São Gonçalo.

João Barbosa/Unsplash
Imagem: João Barbosa/Unsplash

Logo ao lado da ponte fica a igreja, com trabalhos em azulejos, o túmulo de São Gonçalo e uma das imagens mais antigas do santo. Pequena, com uma túnica branca e um cordão amarrado na cintura, ela saía em procissão pela cidade. Dizem que, quando as mulheres necessitadas puxavam o cordão do santo, algo se elevava abaixo da túnica, e assim o seu desejo de arranjar marido era concedido. Daí que surgiu um doce fálico que se vende por toda a cidade, conhecido como Colhões de São Gonçalo. Além dos doces e das histórias, Amarante também conta com hotéis magníficos, como um Relais Chateaux, e um restaurante com estrela Michelin.

Toucinho do Céu de Guimarães

Tadeu Brunelli/Divulgação
Imagem: Tadeu Brunelli/Divulgação

Onde encontrar:

Casa Costinhas

Rua de Santa Maria, nº 68. Guimarães - PT

Tel. +351 253 516 248 casacostynhas@hotmail.com

O nome não tem uma origem certa, e pode ser devido ao fato de as freiras usarem banha de porco no lugar de manteiga. Como outros doces, esse leva muitas gemas de ovos, claras, calda de açúcar, farinha de amêndoas, manteiga (atualmente, no lugar da banha) e chila, um tipo de abóbora. Ela é descascada, cozida e desfiada. Mistura-se então todos os ingredientes, que são finalizados no forno.

A consistência fica entre bolo, pudim e doce de abóbora. Muitas cidades brigam pela criação desse doce. Entre elas, Guimarães, capital europeia da cultura e declarada patrimônio mundial pela Unesco.

Foi nela onde nasceu o primeiro rei, D. Afonso Henrique, que se rebelou contra o Reino de Leão e Castela, em busca da independência da região que mais tarde viria a se chamar Portugal.

Sergio Crusco/UOL
Imagem: Sergio Crusco/UOL

O centro histórico é encantador e merece um bom passeio pelas ruas, com referências medievais, varandas de ferro, arcos que ligam ruas estreitas, balcões, alpendres de granitos, torres e claustros. O Largo das Oliveiras, o Castelo de Guimarães e o Paço dos Duques de Bragança podem enriquecer ainda mais a sua caminhada.

Pudim Abade de Priscos em Braga

Divulgação
Imagem: Divulgação

Onde encontrar:

Doçaria Cruz de Pedra

Rua Beato Miguel de Carvalho nº156. Braga - PT

Tel.: +351 253 262 616 E-mail: docariacruzdepedra@gmail.com

O segredo desse pudim está em ferver um bom pedaço de presunto cru, picado em fatias finas, para dar untuosidade à mistura de água, açúcar, cascas de limão siciliano e canela em pau.

Depois, coa-se o líquido e acrescenta-se a uma mistura de muitas gemas com vinho do porto. Assim como um pudim, ele é assado em uma forma caramelada e em banho-maria.

Angela Compagnone/Unsplash
Imagem: Angela Compagnone/Unsplash

As calorias e a absolvição do pecado da gula se pode buscar subindo a enigmática escadaria de Bom Jesus de Braga, a cidade mais velha de Portugal e onde fica a catedral mais antiga do país. Lá, bares, restaurantes e universidades dão à cidade uma vida noturna movimentada, que contrasta com museus arqueológicos com resquícios da época romana, datada de 27 a.C.

*A jornalista viajou a convite da Azul Linhas Aérea

Roteiros gastronômicos