PUBLICIDADE

Topo

Ela assumiu transexualidade e trocou prostituição em SP pelo cinema francês

Giovanna, que hoje é atriz no cinema francês - Arquivo Pessoal
Giovanna, que hoje é atriz no cinema francês Imagem: Arquivo Pessoal

André Aran

Colaboração para Universa

02/04/2020 04h00

Há 19 anos vivendo em Paris, Giovanna Magrini, 45, teve uma vida marcada por episódios de violência e transfobia. Trocou o Brasil pela França para superar os traumas e conseguiu realizar um sonho de infância: ser atriz de cinema.

Ela nasceu como Ricardo, em Bauru (SP), e logo notou que era diferente dos outros meninos. "Eu não entendia porque tinha pênis se quando me olhava no espelho eu via uma menina", conta. Não demorou muito para perceber que era uma menina "presa" em um corpo de menino.

"Meu pai e irmãos passaram a ser cruéis comigo quando notaram que eu não era apenas um menino afeminado. Aos 13, declarei que era uma mulher. Diante da minha revelação, começaram as agressões físicas e verbais, e minha mãe no centro daquela confusão."

Na adolescência, Ricardo se tornou Giovanna (em homenagem a cantora francesa Édith Piaf cujo nome verdadeiro era Édith Giovanna Gassion) e passou a se virar sozinha. O preconceito não era somente dentro de casa, de onde teve que sair. Na escola, foi expulsa de duas instituições por transfobia. A falta de oportunidades e de um apoio familiar, levou a jovem para o mercado do sexo aos 16 anos.

"Eu não gostava de me prostituir, mas precisava. Ninguém me dava emprego, porque eu já era uma mocinha usando roupas femininas, 'cabelão', unhas pintadas e com um RG masculino. Mas eu precisava estudar, pagar ônibus e bancar um hotel barato para dormir."

Cafetinas, falsos amores e programa do Ratinho

Giovanna, em um set de gravação - Arquivo Pessoal
Giovanna, em um set de gravação
Imagem: Arquivo Pessoal

Em 1995, após concluir o ensino médio, ela se mudou para capital paulista: "Ali encontrei os piores seres da humanidade: gente de péssimo caráter, cafetinas, cafetões, falsos amores, humilhação e agressões de outras trans inclusive. Eu sofri muito em São Paulo, transfobia e escravidão, de gays, lésbicas e cafetinas famosas daquela época como Cris Negão (morta em 2007). Me relacionei com homens também que me batiam, me roubavam. São Paulo foi uma escola tremenda, e tenho gratidão por isso."

A prótese de silicone com que sonhava ela ganhou três anos mais tarde no programa do Ratinho. Na atração, 3 mulheres trans tinham que relatar as suas histórias de vida, mas apenas 1 teria o desejo atendido. Enquanto elas omitiram suas reais 'profissões', Giovanna conta que foi direta com o apresentador: "Sou uma trabalhadora do sexo. Como vou juntar R$ 20 mil reais, Ratinho, pra por uma prótese cobrando R$ 20 o programa?". O desabafo deu certo.

A prótese de silicone foi essencial para compor a sua identidade de gênero, na época ela recebeu convites para posar nua para revistas pornográficas e atuar em filmes eróticos na companhia do namorado. No lado familiar, contava apenas com o apoio da mãe que a visitava em São Paulo.

Foram quase oito anos trabalhando na rua, sendo alvo de pedras, sacos com xixi e gangues que tentavam espancá-la. "Muitas reclamam da violência dos clientes. Para mim, a pior violência era ver a morte de amigas, por clientes e cafetinas."

Suicídio, depressão e vida na Europa

Alguns anos depois, ao lado do namorado, ela abandonou a prostituição, conseguiu montar um negócio próprio, de venda de marmitas, e se reconciliou com a família.

Com o suicídio do namorado, em 2000, ela decide partir para a Europa. Em Paris, sem falar o idioma e sem conhecer ninguém, acaba em um hotel decadente habitado por trans latino-americanas. Voltou para a prostituição para sobreviver.

Paris amo demais

Uma publicação compartilhada por Giovanna Magrini (@diario_giovanna) em

"Tudo o que eu tinha era um pedaço de papel escrito a pronúncia em francês de 'sexo oral' e 'sexo completo'. Eu tinha 24 anos e estava de volta ao mercado do sexo no Bois de Boulogne (uma das principais áreas verdes parisiense, onde há um reduto de prostituição)."

Em 2003, uma produtora de cinema estava fazendo testes com garotas trans para uma participação de destaque no filme franco-brasileiro Tiresia, que contava no elenco com atores brasileiros e franceses. Giovanna e uma amiga passam no teste e fazem algumas cenas ao lado da protagonista Clara Choveaux.

Entrando para o cinema

A sétima arte despertou em Giovanna um outro desejo antigo: ser atriz. No ano seguinte, participa de Wild Side (Lado Selvagem- 2004), que foi aclamado pelo público e ganhou prêmios em alguns festivais mundo afora. O sucesso do longa abriu portas para outros trabalhos e possibilitou que a trans brasileira tirasse o registro de atriz.

"Eu estava começando a trilhar uma carreira, e logo vieram participações em duas séries francesas, filmes, programas de humor na TV, comercial para o canal Pink TV e diversos outros trabalhos. Este ano mesmo, serão lançados dois filmes no cinema de que participo", conta.

Para bancar os altos custos da cidade, manteve a prostituição em paralelo à carreira de atriz por mais alguns anos.
"A arte é o meu detox"

Em 2011, Giovanna rouba a cena no documentário brasileiro O Voo da Beleza, que revelava as histórias de mulheres trans de diversas nacionalidades em Paris. A partir daí, ela aumentou a participação em filmes e também em campanhas relacionadas à causa LGBT, inclusive para a Prefeitura de Paris.

Recentemente, o governo francês cedeu a ela um apartamento por meio de um programa de habitação social semelhante aos que existem no Brasil. O momento não poderia ter sido mais oportuno, o prédio que ela morava na companhia de outras trans estava repleto de infiltrações.

"Hoje, vivo com dignidade em um apartamento social, uma das maiores conquistas da minha vida, e me formei em educação terapêutica."

Giovanna também recebeu um convite para trabalhar como mediadora de saúde pública em um hospital de Paris, cuja função será fazer o acompanhamento de imigrantes latinos.

Ao olhar para trás, ela relembra como foi difícil a trajetória. "Trabalhei muito ao longo desses 19 anos, não somente com sexo, também fui faxineira, paguei todos os impostos, me prostitui e sou orgulhosa disso, a prostituição (um termo pejorativo que eu não gosto pois remete a marginalização) foi o meu passado, o meu ontem e me transformou na mulher que sou hoje."

Após 19 anos vivendo na França, Giovanna, aos 45 anos, se considera uma mulher feliz, e já conta 42 trabalhos entre cinema, TV e campanhas. "Acho que nunca vou deixar de viver na França. A cada 16 horas uma mulher trans é morta no Brasil, essa estatística felizmente não existe na Europa."

Diversidade