Topo

Colorismo é filho do racismo, diz a atriz Lupita Nyong'o sobre sua infância

Lupita Nyong"o, premiada atriz de cinema - Getty Images
Lupita Nyong'o, premiada atriz de cinema Imagem: Getty Images

De Universa

08/10/2019 15h40

A premiada atriz Lupita Nyong'o está prestes a lançar um livro voltado para o público infantil, "Sulwe", que conta a história de uma menina que tem a pele mais escura que a de outras pessoas em sua família.

Vencedora do Oscar de atriz coadjuvante por sua atuação em "12 Anos de Escravidão" (2013), Lupita nasceu no México e foi criada no Quênia. Mais tarde, mudou-se para os Estados Unidos. Em entrevista à "BBC Newsnight", ela disse que foi vítima de colorismo na infância, quando "desejava ter pele diferente".

Para a atriz, o colorismo "é filho do racismo", em "um mundo que recompensa pessoas de pele mais clara sobre as de cor mais escura".

Colorismo é o preconceito contra pessoas com tom de pele mais escuro ou o tratamento preferencial aos que têm pele mais clara.

"Eu definitivamente cresci sentindo-me desconfortável com a minha cor de pele, porque eu sentia como se o mundo ao meu redor premiasse a pele mais clara", ela afirmou.

Lupita contou que sua irmã mais nova, que tem a pele mais clara que a dela, era chamada de "bonita" e "linda". "Conscientemente, aquilo se traduzia em: 'Eu não valho a pena'."

A atriz argumenta que o colorismo era "muito ligado ao racismo", embora ela o tenha experimentado em uma sociedade predominantemente negra como a do Quênia.

"Nós ainda nos referimos a essas noções de padrões eurocêntricos de beleza, que depois afetam como nós nos vemos entre nós mesmos".

A atriz chegou a ouvir em um teste que era "escura demais" para um trabalho em televisão.

Lupita diz que a relação com sua pele tem sido separada da relação com sua raça. "Raça é uma construção muito social, que eu não tinha que atribuir ao meu crescimento diário. Por mais que eu estivesse passando pelo colorismo no Quênia, eu não tinha conhecimento de que eu pertencia a uma raça chamada negra."

Isso mudou, ela diz, quando se mudou para os Estados Unidos, "porque, de repente, a palavra negra estava sendo atribuída a mim e isso representava certas coisas às quais eu não estava habituada".

Lupita interpretou o papel de Nakia no filme "Pantera Negra", da Marvel, que arrecadou mais de 1 bilhão de dólares em cinemas de todo o mundo. Questionada se o sucesso do filme pode ter mudado a experiência de escalar atores negros, a artista respondeu: "Eu acho que o tempo vai dizer se essa foi aquela mudança essencial. Definitivamente, é assim que isso parece."

Mais Diversidade