PUBLICIDADE
Topo

Finalmente a ciência explicou o que você já sabia: beber dá fome

As células neurais responsáveis por ativar a sensação de fome no corpo humano também são estimuladas pelo álcool  - IStock
As células neurais responsáveis por ativar a sensação de fome no corpo humano também são estimuladas pelo álcool Imagem: IStock

Do UOL, em São Paulo

10/01/2017 14h00

Bebidas alcoólicas são ricas em calorias e seu consumo, além de causar embriaguez, também deveria saciar a fome de quem as ingere, certo? Na verdade, não é bem assim: estudo publicado pela Nature nesta terça-feira (9) apontou que as "bebedeiras" são um gatilho para a compulsão alimentar.

A fome que aparece após a ingestão de álcool foi explicada por pesquisadores britânicos, a culpa é toda dos neurônios Agrp.

O estudo conduzido por Denis Burdakov, do Instituto Francis Crick, de Londres, mostrou que os principais componentes dos circuitos de alimentação do cérebro --aqueles que desencadeiam a sensação de fome em nosso corpo-- são ativados pelo álcool.

Localizados no hipotálamo, os neurônios de Agrp exibem hiperatividade elétrica e bioquímica quando são expostos ao etanol (princípio ativo do álcool). 

O estudo mostrou, ainda, caminho reverso. Ao abolir a atividade deste neurônio, a indução à compulsão alimentar por meio da ingestão de álcool foi neutralizada, mostrando que a atividade da célula de Agrp é essencial para que o álcool estimule a alimentação excessiva.

Ratos "beberrões" comem mais

A pesquisa foi realizada com dois grupos de ratos. O primeiro deles foi exposto ao consumo excessivo de álcool por três dias (ingerindo o equivalente a 18 doses por dia), ao passo que o segundo não foi submetido ao uso do etanol.

O resultado foi que, enquanto, os ratos que permaneceram “sóbrios” não alteraram seus padrões de consumo alimentar, os animais que participaram da “bebedeira” apresentaram um aumento significativo na ingestão de alimentos.