PUBLICIDADE
Topo

Homem acha iPhone que ficou 10 meses submerso em rio - e ele ainda funciona

Homem perdeu aparelho enquanto estava em canoa comemorando despedida de solteiro  - Laura Chouette/ Unsplash
Homem perdeu aparelho enquanto estava em canoa comemorando despedida de solteiro Imagem: Laura Chouette/ Unsplash

Do UOL, em São Paulo

24/06/2022 14h38Atualizada em 25/06/2022 17h01

Um homem recuperou seu iPhone dez meses depois de ter perdido o aparelho. Mas um detalhe curioso fez a história chamar atenção: o celular havia caído em um rio durante uma despedida de solteiro e esteve submerso durante todo o tempo "desaparecido".

Miguel Pacheco, 29, do condado de Gloucestershire, na Inglaterra, encontrou o iPhone no rio Wye no começo de junho, enquanto praticava canoagem com a família. Ele compartilhou uma imagem do achado em um grupo de moradores da região, no Facebook, na esperança de achar o dono, após descobrir que o aparelho ainda funcionava perfeitamente.

Logo após o retirar da água, o homem levou o celular para casa, deixou para secar e o colocou no carregador, de acordo com um relato compartilhado pelo jornal local Hereford Times.

A postagem de Pacheco foi compartilhada milhares de vezes nas redes sociais e acabou chegando ao dono do celular: Owain Davies, 35, que mora em Edimburgo, capital da Escócia.

A prova de que Davies era o dono do iPhone foi a foto de bloqueio de tela, em que ele aparecia ao lado de sua noiva, Fiona Gardner. Além disso, o calendário do celular ficou travado com a data do dia em que ele perdeu o aparelho: 13 de agosto.

"Se eu perdesse meu telefone, como tenho muitas fotos com meus filhos, eu sei que gostaria de tê-lo de volta", afirmou o "herói" Pacheco em entrevista à rádio BBC. Já Davies detalhou que "estava em uma canoa para duas pessoas quando seu companheiro se levantou", derrubando os dois na água.

"O telefone estava no meu bolso de trás e logo percebi que ele tinha sumido", contou o homem, que se disse "impressionado" com o esforço de Pacheco para encontrar o dono do aparelho.

"Minha reação natural seria deixá-lo no bar mais próximo, e não secá-lo e recuperá-lo", completou.