PUBLICIDADE
Topo

Como "dunas" de areia: novo tipo de luz de aurora é descoberto por amadores

Kari Saari
Imagem: Kari Saari

De Tilt, em São Paulo

29/01/2020 18h15

Fotógrafos descobriram uma nova forma de aurora boreal na Finlândia enquanto trabalhavam em conjunto com um grupo de astrônomos.

Nomeada como "duna", a descoberta evidencia uma nova forma de investigar a atmosfera da Terra. A pesquisa foi publicada no periódico científico AGU Advances.

Os primeiros passos para essa nova forma da aurora boreal tiveram início em um grupo do Facebook, em que a professora Minna Palmroth, da Universidade de Helsinque, na Finlândia, explicava para os leigos em ciência, em sua maioria fotógrafos, o que estava por trás dos cliques feitos por eles.

"Um dos momentos mais memoráveis foi quando o fenômeno apareceu naquele momento específico e pudemos examiná-lo em tempo real", disse Matti Helin, um dos participantes do grupo. "Foi como montar um quebra-cabeça ou realizar um trabalho de detetive. Todos os dias encontramos novas imagens e criamos novas ideias. Eventualmente, chegamos ao fundo da questão."

A pesquisa afirma que as "dunas" acontecem em altitude baixa, de 100 quilômetros, nas partes superiores da mesosfera. Já seu comprimento de onda corresponde a 45 quilômetros de altura.

Em comunicado à imprensa, Minna Palmroth destacou ainda a diferença entre os brilhos dessas novas auroras em comparações às outras, que acontecem em decorrência da movimentação das partículas de oxigênio.

Ao The Guardian, a professora complementou ainda que essa nova forma de aurora deve ser consequência de ondas gravitacionais.

"[As ondas] têm diferentes frequências, diferentes comprimentos de onda, diferentes amplitudes e, para observar algo muito uniforme, como as dunas, significa que deve haver algum mecanismo ativo".