Topo

Reviews


"Code Vein" é um "Dark Souls de anime", mas com alma própria

Reprodução
Imagem: Reprodução

Giuseppe Carrino

Do GameHall

03/10/2019 04h00

Resumo da notícia

  • Jogo estilo "Souls" com jogabilidade semelhante, mas com novidades suficientes para o tornarem algo original e mais acessível.
  • História situada em um planeta Terra devastado, onde a raça humana foi quase extinta e vampiros chamados de aparições lutam para sobreviver.
  • Belos gráficos que imitam os vistos em desenhos japoneses.

A enorme popularidade dos jogos da FromSoftware, que conquistou fãs no mundo inteiro principalmente a partir de "Dark Souls" (2011), inspirou outras produtoras a criar jogos similares na tentativa de pegar carona no sucesso.

E logo depois de "The Surge 2", é a vez de "Code Vein", da Bandai Namco, se arriscar nessa empreitada. Ele trouxe algumas ideias originais para complementar sua inspiração nos jogos "Souls", e ainda por cima adotou um visual de anime, os famosos desenhos japoneses, para atrair um número maior de jogadores.

Você pode até pensar que se trata de mais um clone dos títulos da FromSoftware, mas 'Code Vein' é bem mais do que isso

Um mundo em ruínas

A história de "Code Vein" segue alguns clichês dos games: o personagem criado por você precisa salvar um mundo que foi devastado. A raça humana não é mais a dominante, papel esse agora exercido pelas aparições, como são chamados os vampiros. Eles se dividem entre aqueles que usam os humanos remanescentes como gado e os que os ajudam a sobreviver com mais dignidade.

Essas aparições, das quais você faz parte, foram criadas para combater os males que acabaram com o planeta, e precisam consumir sangue periodicamente. Caso contrário, entrarão em frenesi e se transformarão em criaturas desprovidas de razão, chamadas Perdidos, que são os principais inimigos do jogo.

Toda a história é contada com cutscenes que vão surgindo à medida que você vai progredindo, e pode ser complementada desbloqueando-se opcionalmente as memórias dos personagens com os quais você interage.

Jogabilidade lembra os jogos da From, mas possui vários elementos próprios - Reprodução
Jogabilidade lembra os jogos da From, mas possui vários elementos próprios
Imagem: Reprodução

Jogo com identidade própria

Você pode até pensar que se trata de mais um clone dos títulos da FromSoftware, mas "Code Vein" é bem mais do que isso. E já dá para perceber nos primeiros minutos jogando.

O criador de personagens não permite escolher uma classe, servindo apenas para que você molde o visual do seu personagem, que também pode ser alterado ao longo da aventura. No tutorial, você aprende aquilo que todo fã de "Souls" já sabe: atacar, desviar, defender e aparar, se quiser sobreviver. Juntamente com isso, são dados três Códigos de Sangue, que é como são chamadas as classes aqui. Cada uma tem suas habilidades próprias que, quando dominadas, podem ser misturadas, o que permite personalizar seu estilo de jogo em diversas maneiras.

Quase todo personagem importante que você encontra ao longo da história ou que se alia contigo possui um Código de Sangue que você pode usufruir, abrindo um novo leque de habilidades para serem utilizadas. O jogo, no entanto, não te fornece todas elas de mão beijada, sendo necessário explorar as fases em busca de Vestígios, que servem para desbloquear as habilidades de uma determinada classe, que podem ser compradas com Brumas, o equivalente às almas de "Dark Souls", obtidas matando os inimigos e que também servem para aumentar o nível do seu personagem.

Códigos de Sangue são necessários para poder liberar mais habilidades - Reprodução
Códigos de Sangue são necessários para poder liberar mais habilidades
Imagem: Reprodução

Para atacar, desviar e defender, você usa somente do vigor do personagem. Já os poderes especiais usam um recurso chamado Sangue Negro, que você pode repor por meio de itens, aparando e contra-atacando um inimigo ou apunhalando-o por trás, ou gradativamente usando ataques tradicionais.Classes focadas no corpo-a-corpo possuem menos desse precioso recurso, enquanto aquelas voltadas para atacar à distância tem uma quantidade bem maior.

É um sistema que chama muito a atenção pela originalidade, permitindo que você tenha todas as classes no mesmo personagem e altere a todo momento a maneira como vai encarar os desafios

É um sistema que chama muito a atenção pela originalidade, permitindo que você tenha todas as classes no mesmo personagem e altere a todo momento a maneira como vai encarar os desafios que o jogo lhe impõe, misturando os diversos poderes ativos e passivos que vão sendo desbloqueados ao longo das dezenas de horas que o jogo dura.

Além de tudo isso, há um sistema de melhoria de armas e armaduras, similar ao visto nos jogos "Souls", onde você precisa usar determinados materiais, como ferro e aço, para aumentar os atributos desses equipamentos. Os tipos de armas, no entanto, não são muitos, dividindo-se em poucas categorias, o que deixa a desejar. Há também a possibilidade de fornecer certos objetos aos NPCs em troca de itens raros, alguns dos quais só podem ser obtidos dessa forma.

Companheiro controlado pelo game é uma mão na roda. Ajuda mesmo! - Reprodução
Companheiro controlado pelo game é uma mão na roda. Ajuda mesmo!
Imagem: Reprodução

Seu aliado é seu melhor amigo

"Code Vein" permite que você use um NPC controlado pelo jogo para te ajudar. Ele fica ao seu lado durante todos os momentos, seja apenas enfrentando inimigos tradicionais ou chefes, e diferentemente de outros games onde existe um sistema similar, aqui ele realmente faz muita diferença.

A inteligência artificial, ou IA, do seu aliado é excelente, ajudando de verdade nas horas de maior aperto seja por meio da execução de ataques poderosos, magias de suporte ou até mesmo te ressuscitando caso ele tenha energia para fazer isso. Ele até te indica lugares onde você deve ir e aponta itens que avistou em algum canto do cenário.

A diferença na dificuldade é tão grande quando você está jogando com um parceiro controlado pelo próprio jogo, que alguns jogadores mais hardcore poderão até preferir optar por deixar o companheirismo de lado e jogar sozinho, já que o jogo fica muito mais difícil dessa forma.

Mia Karnstein é um dos personagens que você pode ter como aliado - Reprodução
Mia Karnstein é um dos personagens que você pode ter como aliado
Imagem: Reprodução

Já aqueles que desejam uma experiência menos dolorosa poderão optar por jogar sempre ao lado de um desses companheiros controlados pela IA, escolhendo algum deles que complemente sua forma de jogar. O melhor de tudo é que o jogo fica mais fácil, mas não a ponto de virar um passatempo sem graça.

Se mesmo com o companheiro controlado pela IA algum chefe ou inimigo estiver muito difícil, você ainda pode chamar ajuda de outro jogador por meio do multiplayer online. Nas ocasiões em que testei essa funcionalidade, tudo ocorreu bem, sem qualquer tipo de lag ou problema de conexão. Contudo, essa ajuda externa só pode ser solicitada em áreas onde o chefe ainda não foi vencido, com ela sendo encerrada no momento em que ele ou o jogador hospedeiro for derrotado.

Quem estiver pensando em PvP (jogador contra jogador) sinto dizer: "Code Vein" não tem essa opção, é voltado totalmente ao PvE (jogador contra monstros/ambientes).

Jogo recompensa os jogadores que decidirem explorar seus muitos cenários - Reprodução
Jogo recompensa os jogadores que decidirem explorar seus muitos cenários
Imagem: Reprodução

Incentivo à exploração

Ao contrário dos jogos "Souls" da From, "Code Vein" tem um mapa para o jogador se localizar. Inicialmente é possível apenas ver as pegadas do personagem, que servem como marcadores para exibir lugares onde ele já foi, e também itens avistados que são marcados por meio de um "X".

Ao encontrar e ativar viscos, pedaços do mapa vão surgindo, mostrando o layout daquela determinada região. Alguns desses viscos servem também como pontos de viagem rápida entre os vários locais do jogo.

O mapa de "Code Vein" dá a entender que os desenvolvedores quiseram incentivar os jogadores a vasculharem cada canto dos cenários em busca de todos os seus segredos. Há locais, inclusive, que são tão complexos que provavelmente deixariam muita gente perdida se não existisse um mapa.

Ele ajuda até mesmo na hora de realizar tarefas opcionais, indicando claramente a localização de NPCs que te dão missões secundárias, além de exibir o objetivo de cada uma delas.

Visuais de anime, especialmente dos personagens, chamam a atenção pelo nível de detalhes - Reprodução
Visuais de anime, especialmente dos personagens, chamam a atenção pelo nível de detalhes
Imagem: Reprodução

Apresentação digna

Os visuais de anime em "Code Vein" estão entre os melhores que já vi, especialmente no que diz respeito ao design dos personagens. Eles nos passam a sensação de que, em determinados momentos, estamos assistindo a um verdadeiro desenho japonês, ainda mais se você estiver jogando com a dublagem em japonês. Ela dá um certo ar de autenticidade ao jogo, quase que inexistente na versão em inglês.

A atmosfera também é digna de elogios, passando sempre a ideia de que você está num ambiente depressivo, contexto perfeito para um jogo que fala sobre um mundo que foi completamente destruído.

A localização em português ficou muito boa. Há alguns pouquíssimos erros de tradução durante alguns diálogos, mas nada que comprometa a experiência.

Na trilha sonora, "Code Vein" deixa um pouquinho a desejar, já que faltam as músicas marcantes dos "Souls" da FromSoftware. No entanto, as lutas contra os chefes, grupos de inimigos e certas cutscenes são bem complementadas pela trilha.

História é contada por meio de cutscenes renderizadas em tempo real - Reprodução
História é contada por meio de cutscenes renderizadas em tempo real
Imagem: Reprodução

Conclusão

Divulgação
Imagem: Divulgação
Como jogador assíduo das fantásticas obras da FromSoftware desde "Demon's Souls", digo com sinceridade que me diverti muito com "Code Vein". É um dos melhores títulos souls-like lançados até hoje, mostrando que a From não é a única capaz de entregar algo de qualidade nesse estilo. Ele dá uma boa renovada no gênero, e pode agradar tanto os fiéis jogadores de "Souls" quanto quem sempre ficou intimidado pelo nível de dificuldade desse tipo de jogo. Aqui, você tem um sistema mais amigável, que pode fazer toda a diferença.

Lançamento: 26/09/2019
Plataformas: PS4, Xbox One e PC (Steam)
Preço sugerido: R$ 149,99 (PC) e R$ 249,90 (consoles)
Classificação indicativa: 12 anos (Conteúdo Sexual, Violência)
Desenvolvimento: Bandai Namco Studios
Produtora: Bandai Namco Entertainment

SIGA O START NAS REDES SOCIAIS

Twitter: https://twitter.com/start_uol
Instagram: https://www.instagram.com/start_uol/
Facebook: https://www.facebook.com/startuol/
TikTok: http://vm.tiktok.com/Rqwe2g/
Twitch: https://www.twitch.tv/start_uol

Mais Reviews