PUBLICIDADE

Topo

Caro e sem jogos: por que você não deve comprar o 'novo velho' Atari

Fique longe! O novo modelo do Atari cobra demais e oferece "de menos" - Divulgação
Fique longe! O novo modelo do Atari cobra demais e oferece 'de menos' Imagem: Divulgação

Pedro Henrique Lutti Lippe

Do UOL, em São Paulo

27/03/2017 14h55Atualizada em 27/03/2017 16h30

O Atari está de volta às lojas brasileiras, mas não da maneira que gostaríamos.

Batizado de Atari Flashback 7, o novo sistema da Tectoy presta homenagem ao Atari 2600, mas falha em oferecer uma experiência à altura do legado do clássico console. Fosse ele mais barato, os problemas seriam perdoáveis - mas trata-se de um videogame de R$ 500.

O problema mais evidente é a ausência de alguns dos games que mais marcaram a plataforma, como "Pitfall!", "Enduro", "H.E.R.O." e "River Raid". Por questões de licenciamento, estas produções da Activision ficaram de fora do catálogo digital que vem na memória do sistema.

As omissões não fariam tanta falta se o 'novo velho' Atari aceitasse cartuchos originais (como faz o novo Mega Drive, da própria Tectoy), mas não é o caso.

Quem tem interesse em comprar um Atari em 2017 provavelmente o faz pela nostalgia dos games da infância. Como o Flashback 7 peca neste sentido, é compreensível que um fã recorra à praticidade da emulação para relembrar os velhos tempos.

Asteroids (Atari 2600) - Reprodução - Reprodução
"Asteroids" é um dos clássicos que vêm na memória do Atari Flashback 7
Imagem: Reprodução

A falta de praticidade é outro dos problemas do Atari Flashback 7: o sistema não tem saída HDMI, e precisa de uma TV com o velho conector RCA para funcionar.

Enquanto isso, a própria Atari oferece para smartphones e tablets a coletânea "Atari's Greatest Hits", que vende um catálogo digital de 100 títulos por US$ 10. É uma alternativa muito mais prática e barata do que o novo hardware da Tectoy.

Acima de tudo, porém, o maior motivo para ficar longe do novo Atari Flashback 7 da Tectoy é o fato de que as contas não fecham. É inexplicável como o sistema, fabricado no Brasil, pode custar R$ 500, quando o mesmo hardware é vendido nos EUA por US$ 50 (cerca de R$ 155), e versões importadas podem ser encontradas em sites brasileiros como o Mercado Livre por R$ 350.

Ao UOL Jogos, a Tectoy culpou custos com "impostos (como IPI, ICM, PIS e COFINS), importação de peças, (...) distribuição e margem" pelo preço, acrescentando: "Mesmo produzido em Manaus, o projeto não poderia ser viabilizado somente com base na nostalgia. Também precisávamos que ele fosse viável comercialmente".

Independentemente de tudo isso, sem uma queda brutal de preço, o Atari Flashback 7 não merece seu investimento.