PUBLICIDADE

Topo

"Passava 18 horas jogando LoL"; conheça as historias de viciados em games

Em países como a China, vício em jogos é tratado como caso de saúde pública - Getty Images
Em países como a China, vício em jogos é tratado como caso de saúde pública Imagem: Getty Images

Théo Azevedo

Do UOL, em São Paulo

21/12/2015 10h00

Alessandro* tem 20 anos e, como muitos jovens de sua idade, gosta de jogar “World of WarCraft”, “LoL” e “DotA 2”. Mas o que era pra ser apenas um entretenimento ganhou contornos dramáticos quando ele se viu passando 18 horas em frente ao computador e gastando R$ 5.000 por ano com games que, até certo ponto, são gratuitos.

“Não sabia lidar com problemas familiares e a minha falta de habilidade com a vida social”, conta Alessandro, que mora em São Paulo. “Encontrei nos games aquela sensação boa de poder e reconhecimento”. O estudante de Arquitetura só se deu conta de que precisava de ajuda quando passei a ir mal na faculdade por causa das intermináveis horas em frente ao monitor.

Se em países como a China, onde nos últimos anos houve diversos casos de pessoas que morreram de tanto jogar, o vício em games é tratado como uma questão de saúde, no Brasil o tema ainda é pouco difundido – haja visto a falta de informação sobre o assunto por estas bandas.

Um dos locais que oferece auxílio aos viciados em jogos eletrônicos é o Dependência de Internet, um serviço oferecido pelo Hospital das Clínicas de São Paulo, que nasceu em 2007 para tratar, originalmente, o vício em internet. Porém, não demorou muito para surgirem e-mails e dúvidas voltados especificamente aos jogos eletrônicos.

Eu não sabia lidar com problemas familiares e a minha falta de habilidade com a vida social

Alessandro é uma das seis pessoas – homens, em sua esmagadora maioria - que frequentam atualmente os encontros semanais do grupo, encabeçado pela psicóloga Dora Sampaio Góes. O tratamento, que pouco mais de três meses, envolve também sessões com familiares e é completamente gratuito, incluindo eventuais medicamentos.

Fama no mundo virtual, solidão na vida real

Em geral, a timidez e a solidão são características em comum dos viciados em games, que começam a desenvolver o vício em games quando ainda jovens: “Normalmente [o vício em games] começa na adolescência, em estruturas familiares nas quais os pais trabalham muito e os jogos funcionam quase como uma ‘babá eletrônica’”, explica a Góes.

Alguns viciados podem ainda apresentar condições associadas, como fobia social ou Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH).

Para a psicóloga, a popularização dos jogos online, que não têm um fim definido e foram feitos para envolver ao máximo o jogador, criou condições ainda mais favoráveis para o desenvolvimento do vício: “Tem a coisa de jogar com gente de verdade, então a pessoa não pode largar o grupo na mão”.

Neste contexto, os games são mais que uma fuga da realidade: “Na vida real, ele [o viciado em jogos] não tem uma satisfação consigo mesmo, não se acha querido pelas pessoas, não se vê como um líder ou como bom em algo, mas nos jogos ele é tudo isso”, explica Góes.

Até mesmo com os smartphones é preciso ter cuidado: Leonardo*, de 53 anos, gosta de jogar, veja só, xadrez no celular: “Já cheguei a passar três dias jogando online”, conta. A situação evoluiu a ponto de prejudicar a carreira e o casamento de Leonardo. “Hoje os jogos são uma diversão rara e casual, somente à noite”.

Game Over

Mas o que leva um viciado em jogos eletrônicos a procurar ajuda? Segundo Góes, muitos chegam ao grupo de apoio ou ao consultório após se depararem com a perda do ano escolar do emprego e até mesmo da esposa. Mas, sobretudo, perdem a chance de se desenvolver socialmente: “Esta é uma das consequências mais graves, pois somos seres sociais e o mundo acontece nessas interações”.

Já cheguei a passar três dias jogando online

Claudio*, de 31 anos, conta que sempre gostou de jogos que o levassem para fora da realidade. Porém, em algum momento o vício se instalou: “Ficava [jogando] dez horas por dia, mesmo enquanto tentava passar, sem sucesso, em um concurso público”, conta. “A terapia em grupo me permitiu conhecer pessoas que estão ‘no mesmo barco’ que eu, e me ajudou a ganhar forças para enfrentar meus medos e diminuir níveis de estresse e ansiedade”.

Mas, para quem é viciado em games, interromper completamente este hobbie seria a solução? Na opinião da psicóloga, não: “O principal objetivo [do tratamento] é que as pessoas aprendam a utilizar recursos próprios para brecar tais impulsos e viver uma vida normal, pois nada em excesso faz bem”.

*Os nomes foram trocados