PUBLICIDADE
Topo

Acusado de pedofilia em filme, Danilo Gentili rebate ataques bolsonaristas

Colaboração para Splash, em Maceió

13/03/2022 18h20Atualizada em 14/03/2022 15h26

O apresentador e humorista Danilo Gentili rebateu os ataques feitos majoritariamente por perfis bolsonaristas nas redes sociais, que voltaram a associar seu nome à pedofilia devido ao filme "Como se Tornar o Pior Aluno da Escola", lançado em 2017. Além dele, o ator Fabio Porchat também se tornou alvo das acusações.

Por meio de seu perfil no Twitter, Gentili disse que sente "orgulho" de ter conseguido "desagradar" em um mesmo nível de intensidade tanto os petistas quanto os bolsonaristas, e falou em "falso moralismo".

"O maior orgulho que tenho na minha carreira é que consegui desagradar com a mesma intensidade tanto petista quanto bolsonarista. Os chiliques, o falso moralismo e o patrulhamento vieram fortes contra mim dos dois lados. Nenhum comediante desagradou tanto quanto eu. Sigo rindo", escreveu.

Entenda

Hoje, os nomes dos humoristas Danilo Gentili e Fabio Porchat ficaram entre os assuntos mais comentados do Twitter com acusações de incentivo à pedofilia pelo filme "Como se Tornar o Pior Aluno da Escola", disponível no catálogo da Netflix. A plataforma de streaming também foi alvo de críticas.

Quando lançado, o longa-metragem mirim já havia sido alvo de polêmica por uma cena de cunho sexual que envolve Porchat.

Na ocasião, Adriana Munhoz, mãe do ator Bruno Munhoz, à época com 13 anos, não escondeu sua preocupação com as cenas mais pesadas do filme, uma dela justamente com conotação sexual.

"Qual me chocou mais? A cena do Porchat, eu não tinha visto pronta, sabia mais ou menos como seria, mas depois de ver pronta foi mais tranquilo. Era uma cena que preocupava sim", admitiu a mãe de Bruno, em entrevista ao UOL.

Em "Como se Tornar o Pior Aluno da Escola", Fabio Porchat interpreta Cristiano, um homem com desvios sexuais e dono do caderno que o ex-colega (papel de Danilo Gentili) roubou na escola para escrever o guia de "pior aluno", encontrado pelos protagonistas Pedro (Daniel Pimentel) e Bernardo (Bruno Munhoz).

Agora, o longa voltou a ser assunto nas redes sociais, dentro de um contexto político, com perfis bolsonaristas e de políticos apoiadores do presidente Jair Bolsonaro (PL) criticando a produção.

Em meio ao burburinho gerado, houve quem apontasse a hipocrisia desses mesmos críticos de agora, que antes aplaudiam Gentili, na época em que ele era apoiador do então candidato.