PUBLICIDADE
Topo

Todo mundo mente? 'Fake em Nóis' dá dicas de como não cair em mentiras

Colaboração para Splash, em São Paulo

11/11/2021 04h00

Você acredita que é possível mentir falando a verdade? No episódio do "Fake em Nóis" desta semana, Gilmar e Pirulla mostram vários exemplos de quem já usou fatos verídicos para propagar mentiras.

Um deles é da CPI da Covid, finalizada em outubro, onde o senador governista Luís Carlos Heinze (PP-RS) usou uma suposta atriz pornô para tentar descredibilizar uma pesquisa norte-americana sobre a eficácia da cloroquina para o tratamento da covid-19.

Gilmar conta que na empresa que realizou o estudo existia mesmo uma funcionária que já tinha trabalhado no ramo de entretenimento adulto e que dentro da corporação foi diretora da área de vendas e marketing.

Ela se chamava Ariana Anderson e trabalhava com produtos eróticos nas horas vagas. Uma coisa que precisa ficar clara é que vender aparatos eróticos não significa ser atriz pornô e, mesmo se ela fosse, isso não afetaria em nada o estudo.

De acordo com Pirulla, nesse caso, especificamente, a mulher não participou da pesquisa sobre a eficácia da cloroquina, embora trabalhasse na empresa responsável pelo estudo.

Eram tantos artigos que mostravam que a cloroquina não tinha eficácia, que um artigo com problema também não poderia invalidar todas as outras centenas de artigos. Essa é uma forma de usar a verdade para falar mentira.

'Fake em Nóis'

Apresentado pelo biólogo Pirulla e pelo checador de fatos Gilmar Lopes (do site eFarsas), o "Fake em Nóis" traz, com muito bom humor, a verdade sobre algumas mentirinhas que circulam na internet. O programa vai ao ar toda quarta-feira, 19h, no YouTube de Splash e também está disponível na sua plataforma de podcast preferida.