PUBLICIDADE
Topo

Página Cinco

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

A literatura é a maior das artes? Para Fernando Pessoa, parece que sim

Fernando Pessoa - Divulgação
Fernando Pessoa Imagem: Divulgação
Conteúdo exclusivo para assinantes

Rodrigo Casarin

Colunista do UOL

16/05/2022 04h00

Em março, a editora portuguesa Assírio & Alvim estreou no mercado brasileiro com dois livros: "Inferno", de Pedro Eiras, finalista do Prêmio Oceanos em 2021, e "Sobre a Arte Literária", antologia de textos e fragmentos de registros de Fernando Pessoa sobre literatura, especialmente poesia, e outras formas de arte.

O livro de Pessoa é daqueles bons para ter por perto para um passeio por suas páginas. Entre reflexões sobre a escrita, uma certa busca por colocar a literatura como a mais sublime das artes, as diferentes visões que heterônimos como Ricardo Reis e Álvaro de Campos apresentam para assuntos caros à poesia e breves embates entre essas personas acerca de um mesmo tema, é possível vislumbrar um bom tanto das convicções, suposições e contradições que borbulhavam na cabeça do poeta.

Pessoa, que morreu em 1935, aos 47 anos, foi um dos maiores nomes da literatura portuguesa no século 20 - para muitos, o maior e ponto final. Em "Sobre a Arte Literária", é curioso e importante observar como o escritor via o trabalho de seus pares contemporâneos e enxergava a obra de alguns clássicos da literatura. Críticas, resenhas e provocações escritas sobre autores como Camões, Baudelaire, Shakespeare, Goethe, Victor Hugo, Oscar Wilde e Edgar Allan Poe fazem parte do volume.

Selecionei alguns trechos interessantes de "Sobre a Arte Literária":

Poesia é assombro

"Existe - existia - para mim um significado riquíssimo em algo tão ridículo como a chave de uma porta, um prego na parede, os bigodes de um gato. Há, para mim, toda uma plenitude de sugestão espiritual numa galinha com os seus pintos a atravessarem a estrada com ar pimpão. Há para mim um significado mais profundo do que os medos humanos no aroma do sândalo, nas latas velhas deitadas num monturo, numa caixa de fósforos caída na valeta, em dois papéis sujos que, num dia ventoso, rodopiam e se perseguem pela rua abaixo.

Pois a poesia é assombro, admiração, como de um ser caído dos céus que tomasse plena consciência da sua queda, atónito com o que vê. Como alguém que conhecesse a alma das coisas e se esforçasse por recordar esse conhecimento, lembrando que não era assim que as conhecia, não com estas formas e nestas condições, mas não se lembrando de mais nada".

Sobre a Arte Literária, de Fernando Pessoa - Reprodução - Reprodução
Imagem: Reprodução

Literatura como fim de todo esforço humano

"A literatura, que é a arte casada com o pensamento, e a realização sem a mácula da realidade, parece-me ser o fim para que deveria tender todo o esforço humano, se fosse verdadeiramente humano, e não uma superfluidade do animal. Creio que dizer uma coisa é conservar-lhe a virtude e tirar-lhe o terror. Os campos são mais verdes no dizer-se do que no seu verdor. As flores, se forem descritas com frases que as definam no ar da imaginação, terão cores de uma permanência que a vida celular não permite".

Dispensar as outras artes

"A literatura é a forma intelectual de dispensar todas as outras artes. Um poema, que é um quadro musical de ideias, dá-nos a liberdade, através da compreensão que dele tivermos, de ver e ouvir o que queremos. Todas as estátuas e pinturas, todas as canções e sinfonias, são tirânicas em comparação com isto. Num poema, temos de compreender o que o poeta pretende, mas podemos sentir o que quisermos".

Ciência e arte

"A ciência descreve as coisas tal como são; a arte tal como são sentidas, tal como se sente que são".

Ricardo Reis X Álvaro de Campos

"Ricardo Reis: Há só duas artes verdadeiras: a Poesia e a Escultura. A realidade divide-se em realidade espacial e realidade não espacial, ou ideal. A escultura figura a realidade espacial (que a pintura desfigura e abaixa e a arquitetura artificializa porque não reproduz uma coisa real mas outra coisa). A música, que é a arquitetura da poesia, isola uma coisa, o som, e quer dar o ritmo fora do humano, que é a ideia.

Álvaro de Campos: Há cinco artes - a Literatura, a Engenharia, a Política, a Figuração (que inclui o drama, a dança, etc.) e a Decoração. (A Decoração vai desde a arte de arrumar bem as coisas em cima de uma mesa até à pintura e à escultura. Fernando Pessoa teve razão numa coisa: a pintura e a escultura são essencialmente artes de decorar, mas errou em limitar a essas as artes decorativas)".

Edgar Allan Poe, frio e lúcido

"O que há de mais notável na sua personalidade complexa é a justaposição - mais que a fusão - de uma imaginação vizinha da vesânia com um raciocínio frio e lúcido. Na imaginação visionadora do estranho ninguém o superou ainda, salvo, talvez, Sá-Carneiro, cuja intuição do Mistério era, talvez por uma razão de raça, mais completa. Na determinação alucinada de estados mórbidos - como no pavoroso feiticismo de 'Berenice' - poucos, se alguns, o terão igualado. Nos contos 'de raciocínio' não apareceu ainda seu igual".

Oscar Wilde, honesto com a falsidade

"De todos os aventureiros das artes que são fúteis e de mau gosto, e cuja múltipla presença distingue negativamente os tempos modernos, ele é uma das maiores figuras, pois é honesto com a falsidade. A sua atitude é a única verdadeira numa época em que nada é verdadeiro; e é verdadeira porque conscientemente não é verdadeira.

A sua pose é consciente, ao passo que à volta dele só há poses inconscientes. Ele tem, portanto, a vantagem da consciência. É representativo porque é consciente".

Você pode me acompanhar também pelas redes sociais: Twitter, Facebook, Instagram, YouTube e Spotify.