PUBLICIDADE
Topo

Mauricio Stycer

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Bacci extrapola e vira investigador ao entrevistar suposta vítima de abuso

Jhacy França dá entrevista a Luiz Bacci, no "Cidade Alerta", sobre o caso em que acusa MC Lan de estupro - Reprodução/TV
Jhacy França dá entrevista a Luiz Bacci, no "Cidade Alerta", sobre o caso em que acusa MC Lan de estupro Imagem: Reprodução/TV
Mauricio Stycer

Mauricio Stycer é jornalista desde 1985. Repórter e crítico do UOL, colunista da Folha de S.Paulo, passou por Jornal do Brasil, Estadão, Folha, Lance!, Época, CartaCapital, Glamurama Editora e iG. É autor de "Topa Tudo por Dinheiro - As muitas faces do empresário Silvio Santos" (editora Todavia, 2018).

Colunista do UOL

08/03/2021 20h01

No Dia Internacional da Mulher, um dos destaques do "Cidade Alerta" foi uma entrevista com a cantora Jhacy França, que acusa o músico MC Lan de estupro. Confundindo a função de apresentador de um programa policial com a de investigador ou delegado, Luiz Bacci chamou a atenção pela forma dura com que questionou a mulher, buscando encontrar contradições no relato feito por ela.

Bacci interrompeu Jhacy inúmeras vezes com questões que levantavam dúvidas sobre a sua versão. Consciente que estava extrapolando do papel como jornalista, o apresentador até se explicou: "Estou sendo o mais sensível e delicado possível, acreditando na sua inocência e na inocência do MC Lan", disse para Jhacy.

O apresentador disse a Jhacy que recebeu muitas mensagens "duvidando da sua integridade". Em outro momento, Bacci relatou que estava sendo criticado pelas perguntas que fez para ela. "Estou aqui para isso, para questionar. Da maneira mais digna e sensível possível".

Ao entrevistar MC Lan, o comportamento de Bacci pareceu diferente. Quase não interrompeu o músico e não colocou em dúvida o seu relato. Não deu a entender, como na entrevista com Jhacy, que desconfiava da versão do artista. O caso foi revelado no domingo (07) pelo próprio apresentador em sua conta no Instagram.

Ao longo do ano passado, o programa policial da Record foi notícia várias vezes por causa de sensacionalismo, erros e exageros. Em fevereiro de 2020, uma mãe soube da morte da filha ao vivo, durante uma entrevista. Em junho, a filha de um homem assassinado expôs a falta de cuidado jornalístico da atração. Em julho, um homem foi morto após uma imagem sua aparecer na tela como suspeito de um crime.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL