PUBLICIDADE
Topo

Mauricio Stycer

Marcius Melhem anuncia medidas judiciais contra Dani Calabresa e advogada

Conteúdo exclusivo para assinantes
Mauricio Stycer

Jornalista, nascido no Rio de Janeiro em 1961, mora em São Paulo há 29 anos. É repórter especial e crítico do UOL. Assina, aos domingos, uma coluna sobre televisão na "Folha de S.Paulo". Começou a carreira no "Jornal do Brasil", em 1986, passou pelo "Estadão", ficou dez anos na "Folha" (onde foi editor, repórter especial e correspondente internacional), participou das equipes que criaram o "Lance!" e a "Época", foi redator-chefe da "CartaCapital", diretor editorial da Glamurama Editora e repórter especial do iG. É autor dos livros "Adeus, Controle Remoto" (editora Arquipélago, 2016), "História do Lance! ? Projeto e Prática do Jornalismo Esportivo? (Alameda, 2009) e "O Dia em que Me Tornei Botafoguense" (Panda Books, 2011). Contato: mauriciostycer@uol.com.br

Colunista do UOL

04/12/2020 18h24

O ator e diretor Marcius Melhem anunciou nesta sexta-feira (04) que entrou com uma ação na Justiça contra a advogada Mayra Cotta, que representa seis mulheres que o acusam de assédio sexual, para que ela prove as denúncias.

Em entrevista exclusiva ao UOL, Melhem também informou que fará uma interpelação judicial a Dani Calabresa, pedindo que ela confirme ou desminta relatos de assédio que teria sofrido, como mostrou reportagem da revista Piauí publicada hoje.

A íntegra da entrevista com Melhem, realizada no final da tarde desta sexta-feira (04) por mim e por Dolores Orosco, editora-chefe do Universa, será publicada neste sábado (05).

A primeira acusação a Melhem remonta a dezembro de 2019. A Globo fez duas investigações sobre o caso no início deste ano, que não resultaram em nenhuma condenação formal ao comediante.

Melhem tirou licença em abril, para acompanhar o tratamento médico de uma filha, e deixou a Globo em agosto. Foram 17 anos de trabalho. Em nota, na ocasião, a emissora o elogiou, dizendo que "deu importante contribuição para a renovação do humor nas diversas plataformas da empresa".

Em outubro, a jornalista Mônica Bergamo trouxe na Folha uma entrevista com a advogada Mayra Cotta, representante de 12 mulheres (seis vítimas de assédio sexual e seis testemunhas) que acusam Melhem.

Nesta sexta, o repórter João Batista Jr., na Piauí, informa que conversou "com duas vítimas de assédio sexual, sete vítimas de assédio moral e três vítimas dos dois tipos de assédio, o sexual e o moral".

As acusações atingem, além de Melhem, diferentes instâncias da Globo que lidaram com o caso, aparentemente, sem o rigor necessário.

Melhem chefiou a área de humor da Globo nos últimos anos, sendo responsável pela criação de programas como "Zorra", "Tá no Ar" e "Fora de Hora", além do quadro "Isso a Globo Não Mostra", exibido no Fantástico. Mais recentemente, também era responsável pela "Escolinha do Professor Raimundo". Nenhum destes programas vai permanecer na grade da emissora.

Siga a coluna no Facebook e no Twitter.