PUBLICIDADE
Topo

Record precisa ser mais transparente em respeito a Raissa e ao público

A Fazenda 2020: Raissa sai do quarto após discutir com Luiza e chuta porta - Reprodução/Playplus
A Fazenda 2020: Raissa sai do quarto após discutir com Luiza e chuta porta Imagem: Reprodução/Playplus
Mauricio Stycer

Mauricio Stycer é jornalista desde 1985. Repórter e crítico do UOL, colunista da Folha de S.Paulo, passou por Jornal do Brasil, Estadão, Folha, Lance!, Época, CartaCapital, Glamurama Editora e iG. É autor de "Topa Tudo por Dinheiro - As muitas faces do empresário Silvio Santos" (editora Todavia, 2018).

Colunista do UOL

16/10/2020 20h08

Não tem graça.

Nesta sexta-feira (16), mais uma vez, a modelo Raissa Barbosa teve um episódio de descontrole emocional. Foi durante uma conversa com Luiza Ambiel. Levantou-se subitamente, bateu a porta do quarto e começou a gritar. Atravessou a casa, entrou no banheiro e chutou violentamente a porta até derrubar parte de sua estrutura.

Dias antes, Raissa saltou correndo sobre três camas e encarou Carol Narizinho, sua amiga, num estado de tensão pesado. A expectativa de uma agressão ficou no ar.

Ao ser indicada pela segunda vez para a roça, despejou um tubo de creme em cima de Cartolouco e Biel. Na primeira vez que foi mandada para a roça, atirou água no cantor e socou violentamente um travesseiro para extravasar a raiva que estava sentindo.

Na discussão desta sexta com Luiza, Raíssa informou: "Estou medicada para me controlar". Luiza ouviu e questionou: "Você ia fazer o quê?" Raissa explicou: "Eu perco a linha, você sabe. Eu não quero mais perder a linha, eu quero ter controle das minhas atitudes".

O perfil oficial de Raíssa disse que ela sofre de síndrome de borderline - um transtorno que afeta o humor e o comportamento da modelo. A Record se nega a falar sobre o estado de saúde dela sob o argumento do "sigilo médico". Não confirma nem desmente o que ela tem.

Com base no que já foi exibido, o espectador tem o direito de se perguntar se uma pessoa com esta condição, tomando medicamentos, pode participar de um programa que afeta emocionalmente até quem não tem transtorno algum. Se a resposta for "sim", cabe à Record explicar isso para quem está assistindo.

A Record está promovendo uma superexposição de uma mulher que precisa de ajuda e colaborando para que estereótipos pesados, como o da a "mulher louca", continuem sendo reproduzidos.

A emissora precisa ser mais transparente. Dizer como está auxiliando Raissa e, mesmo, explicar por que a mantém dentro da "Fazenda".

Não há graça em ver uma pessoa com um problema sério sofrendo em uma casa vigiada 24h. Isso não é entretenimento.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL