PUBLICIDADE
Topo

Datena desiste da política pela 3ª vez e já pode pedir música no Fantástico

Datena apresenta o "Brasil Urgente", na Band - Reprodução / Internet
Datena apresenta o "Brasil Urgente", na Band Imagem: Reprodução / Internet
Mauricio Stycer

Mauricio Stycer é jornalista desde 1985. Repórter e crítico do UOL, colunista da Folha de S.Paulo, passou por Jornal do Brasil, Estadão, Folha, Lance!, Época, CartaCapital, Glamurama Editora e iG. É autor de "Topa Tudo por Dinheiro - As muitas faces do empresário Silvio Santos" (editora Todavia, 2018).

Colunista do UOL

11/08/2020 16h58

Há uma década, ou mais, José Luiz Datena ameaça parar de apresentar programas policiais. Sempre diz que está cansado do gênero, que não aguenta mais, e que sonha atuar em outras áreas. Nos últimos cinco anos, o apresentador passou a dizer também que, após recusar muitos convites para entrar na política, começou a cogitar disputar eleições.

Já fiz piada a respeito, diretamente com Datena, dizendo que ele é "o apresentador das despedidas", uma espécie de Silvio Caldas do jornalismo policial. O cantor, como se sabe, fez temporadas de despedida por anos a fio. Virou galhofa.

Em 2015, o PP (atualmente, Progressistas) anunciou o seu nome como pré-candidato à Prefeitura de São Paulo, mas ele saltou do barco em janeiro de 2016. Em junho de 2018, o apresentador chegou a dizer que disputaria o Senado pelo DEM, mas desistiu semanas depois, no início de julho.

A novela recomeçou em 2019. "Muita gente tem me procurado. Não vai ser agora que eu vou decidir. E se eu decidir, dessa vez vou ser candidato mesmo. Se eu bater o martelo, eu vou mesmo. Não recuo.", disse o apresentador do Brasil Urgente em outubro passado.

Como se viu nesta terça-feira (11), Datena não bateu o martelo. Ainda não foi dessa vez. Desistiu de desistir da carreira na televisão em nome, disse, de sua lealdade à Band, a emissora onde mais atuou.

"Eu tinha que escolher entre os políticos e o Jhonny Saad e a família Saad e a casa e eu escolhi a casa. Eu preferi a história da Bandeirantes", disse a Catia Fonseca, pouco antes de começar o "Brasil Urgente".

Está claríssimo, a esta altura, que Datena não tem certeza do caminho a seguir. O sonho de deixar o jornalismo policial e fazer um programa de entretenimento durou menos de um ano, em 2018. O "Agora é Domingo" não deu certo.

O sonho de se aventurar na política é ainda mais complexo. Porque envolve deixar, de fato, a televisão por um período e se envolver com figuras que o apresentador sempre criticou em seu programa.

Alguém mais gaiato poderá dizer que, com três desistências em seis anos, Datena já pode pedir música no "Fantástico".

Como não poderia deixar de ser, Datena concluiu o anúncio da desistência com mais uma promessa: "Mas eu fiquei muito chateado, pois gostaria de entrar na política, na próxima eu vou mesmo e vou sair da Bandeirantes e vou para a política, mas ai vou ter que deixar a televisão".

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL