PUBLICIDADE
Topo

Mauricio Stycer

Homem morre de causas diferentes em dois telejornais da Globo no mesmo dia

A repórter Sabina Simonato apresenta reportagem no Jornal Hoje sobre UTIs lotadas em São Paulo - Reprodução
A repórter Sabina Simonato apresenta reportagem no Jornal Hoje sobre UTIs lotadas em São Paulo Imagem: Reprodução
só para assinantes
Mauricio Stycer

Jornalista, nascido no Rio de Janeiro em 1961, mora em São Paulo há 29 anos. É repórter especial e crítico do UOL. Assina, aos domingos, uma coluna sobre televisão na "Folha de S.Paulo". Começou a carreira no "Jornal do Brasil", em 1986, passou pelo "Estadão", ficou dez anos na "Folha" (onde foi editor, repórter especial e correspondente internacional), participou das equipes que criaram o "Lance!" e a "Época", foi redator-chefe da "CartaCapital", diretor editorial da Glamurama Editora e repórter especial do iG. É autor dos livros "Adeus, Controle Remoto" (editora Arquipélago, 2016), "História do Lance! ? Projeto e Prática do Jornalismo Esportivo? (Alameda, 2009) e "O Dia em que Me Tornei Botafoguense" (Panda Books, 2011). Contato: mauriciostycer@uol.com.br

Colunista do UOL

22/04/2020 21h19

Um mesmo homem, de 60 anos, foi personagem de duas reportagens diferentes em telejornais da Globo nesta terça-feira (21). E a causa da sua morte mudou entre um telejornal e outro.

O caso serviu, primeiro, no "Jornal Hoje", para ilustrar a difícil situação de pacientes em estado grave com outras doenças que não a covid-19, mas que não encontram lugar nas UTIs dos hospitais municipais de São Paulo.

À noite, no "Jornal da Globo", a história do mesmo homem foi citada como exemplo de pacientes com a covid-19 que não conseguem leito em UTIs de hospitais públicos na cidade.

No "Jornal Hoje", a repórter Sabina Simonato narrou a história de Severino, que "teve um AVC e estava há dias no Hospital Municipal de Campo Limpo esperando por um leito de UTI", mas morreu antes de ser transferido. À noite, no "Jornal da Globo", a repórter Patrícia Falcoski falou do mesmo homem, mas relatando que ele morreu de covid-19 sem conseguir o leito de UTI.

Erros acontecem, mas o que chama a atenção no caso é a falta de comunicação entre dois telejornais da mesma emissora, feitos na mesma cidade.

Segundo a Globo, "Alexandre, filho do senhor Severino, informou que o exame para covid-19 foi feito logo que o pai foi internado por causa do AVC. Essa declaração inclusive foi ao ar nos jornais locais. No 'Jornal da Globo' houve uma imprecisão. A matéria informava que o senhor Severino tinha a doença, quando o correto seria dizer que ele estava com suspeita de covid-19."