PUBLICIDADE
Topo

Regina cria confusão ao misturar carinho de colegas com apoio ao governo

Regina Duarte publicou montagem com foto de Carolina Ferraz; atriz protestou - Reprodução/Instagram
Regina Duarte publicou montagem com foto de Carolina Ferraz; atriz protestou Imagem: Reprodução/Instagram
Mauricio Stycer

Mauricio Stycer é jornalista desde 1985. Repórter e crítico do UOL, colunista da Folha de S.Paulo, passou por Jornal do Brasil, Estadão, Folha, Lance!, Época, CartaCapital, Glamurama Editora e iG. É autor de "Topa Tudo por Dinheiro - As muitas faces do empresário Silvio Santos" (editora Todavia, 2018).

Colunista do UOL

01/02/2020 12h16

Regina Duarte ainda não assumiu oficialmente o cargo de secretária de Cultura do governo Bolsonaro, mas já teve uma boa ideia das dificuldades que vai enfrentar com a classe artística. A atriz foi alertada para não confundir o carinho, a amizade e a admiração que muitos sentem por ela com apoio ao governo.

Duas postagens de Regina em sua conta no Instagram chamaram a atenção para esta dificuldade. Em ambas, a atriz divulgou montagens com imagens de personalidades do meio que supostamente estão apoiando a sua decisão de aceitar o convite para comandar a Secretaria de Cultura. As duas publicações foram alvo de protestos por parte de alguns artistas citados.

A primeira montagem, com dez figuras, vinha acompanhada de uma legenda que dizia: "Artistas quebram o silêncio e apoiam Regina Duarte". Apareciam os rostos de Marcio Garcia, Gloria Perez, Carlos Vereza, Carolina Ferraz, Ary Fontoura, Beth Goulart, Maitê Proença, Luiz Fernando Guimarães, Thiago Rodrigues e Mario Frias.

Em um áudio que circulou na noite de sexta-feira, a atriz Carolina Ferraz desautorizou a publicação: "Regina, não imaginei que você fosse colocar minha foto ou a foto de qualquer um, colega nosso, sem até comentar ou pedir autorização da gente, né?", reclamou. "Você, sendo uma artista que eu conheço há mais de 30 anos, espero que você faça a diferença. Mas eu não quero ser usada como alguém que está ali no seu Instagram, porque dá a entender que eu apoio o governo Bolsonaro e eu não apoio, Regina".

A imagem, então, foi substituída por uma outra montagem, com os rostos de Marcio Garcia, Gloria Perez, Carlos Vereza, Carla Daniel, Ary Fontoura, Malvino Salvador, Maitê Proença, Luiz Fernando Guimarães, Thiago Rodrigues e Rosamaria Murtinho.

Além de Carolina Ferraz, saíram Beth Goulart e Mario Frias. Em seus lugares, entraram Carla Daniel, Malvino Salvador e Rosamaria Murtinho.

Ainda na noite de sexta e na manhã de sábado, outros três artistas incluídos nas montagens desautorizaram Regina Duarte: Carla Daniel, Maitê Proença e Luiz Fernando Guimarães.

Carla Daniel escreveu no Instagram: "Regina vamos deixar claro uma coisa. Apoiei a sua coragem e seu amor a cultura e só. Não compactuo com esse governo e nem o anterior. Beijos".

Maitê registrou: "Eu também NÃO GOSTEI de ter sido usada em uma montagem que dá a entender o apoio a um governo que não aprovo. Que fique claro. Nao aprovo este governo mas apoiarei até a morte o direito de quem pensa diferente de mim".

Luiz Fernando Guimarães publicou: "Pessoal, sobre a minha imagem estar sendo divulgada fazendo menção ao apoio do Governo atual, é MENTIRA! Apoio a querida Regina, e espero que ela faça um belo trabalho, porém não concordo com a administração atual, e não compactuo dos mesmos pensamentos e ideias. Já solicitei que retirassem minha imagem das postagens".

Questionado por fãs em sua conta no Instagram se apoia o governo, já que foi incluído nas montagens divulgadas por Regina Duarte, Ary Fontoura repetiu mais de uma vez: "Não apoio ninguém".

No início da tarde, citando a reclamação de Maitê Proença, Regina excluiu de seu perfil no Instagram a segunda montagem e publicou nova mensagem dizendo: "Meu desejo de pacificar, de UNIFICAR a classe artística já mostra que a RESISTÊNCIA IDEOLÓGICA vai bater forte e tentar impedir que a polarização reinante possa ser vencida. Vou, no entanto, lutando para que a CULTURA do nosso país possa estar acima de ideologias e partidos."

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL