PUBLICIDADE
Topo

Esporte

Sterling revela origem de rixa com Rivera às vésperas de luta no UFC

Ag. Fight

28/01/2019 12h18

No próximo dia 17 de fevereiro, Aljamain Sterling e Jimmie Rivera medem forças no UFC Phoenix em busca de uma oportunidade de se aproximarem do cinturão. No entanto, o confronto não envolve apenas dois pesos-galos (61 kg) de elite do UFC, uma vez que colocará frente a frente dois atletas que carregam rivalidade que vai muito além dos tempos de Ultimate.

Naturais de estados vizinhos nos Estados Unidos, Sterling e Rivera eram rivais nas artes marciais mistas desde seus primeiros passos no esporte. E, durante entrevista ao site 'Combate.com', 'Funk Master', como é conhecido, relembrou esse período e aproveitou para alfinetar seu antigo adversário às vésperas do primeiro confronto dos dois no UFC.

"Jimmie e eu devíamos lutar desde os dias de circuito regional. Tentaram me fazer enfrentá-lo saindo de uma cirurgia, quando éramos promessas. Eu tive minha chance no UFC, ele perdeu na casa do TUF e meio que ficou para trás na fila. Acho que ele tem um pouco de inveja que meus músculos são maiores que os dele, e pelo meu cabelo", provocou Aljamain, antes de falar sobre a vida pessoal de seu rival.

"Eu dou meus jabs sutis aqui e ali. Mas a diferença entre nós é que eu falo por mim, e ele deixa a mulher falar por ele. Ele fica só parado vendo acontecer, nunca vi algo assim. É a vida, ela pode falar assim porque o marido dela é lutador, ele que tem que ir lutar com esses caras", alfinetou o norte-americano de 29 anos.

Confiante em um triunfo, Sterling afirmou que o confronto de estilos o favorece para esse combate. O americano, que vem de duas vitórias seguidas no Ultimate, já mira inclusive uma possível disputa de cinturão em breve. No entanto, o peso-galo admite que seus dois últimos algozes, Marlon Moraes e Raphael Assunção, estão um passo à sua frente na fila dos possíveis desafiantes ao título.

"Acho que o Marlon tem mais formas de acabar a luta, com bons chutes na cabeça. Seu switch kick (chute com a base trocada) é que é difícil. Ele acertou o mesmo golpe no Jimmie Rivera. Ele joga o chute parecido com a forma como eu jogo, jogando o joelho na frente. Você tem que tomar cuidado para não tomar uma joelhada quando ele joga o chute. O Assunção é paciente, tem bom boxe, não joga muitas combinações, mas sabe como ser um matador. Vai ser definido por quem acertar primeiro", projetou Funk Master.

Raphael e Marlon se enfrentam no próximo dia 2 de fevereiro. O combate entre os brasileiros protagonizará o card do UFC Fortaleza. E devido às posições e os últimos resultados conquistados no Ultimate, o vencedor desse duelo provavelmente disputará o cinturão - hoje pertencente à T.J. Dillashaw - em seguida.

Esporte