PUBLICIDADE
Topo

Esporte

Brasileira do pôquer fala de preconceito e importância de Neymar no esporte

Vivi Saliba posa para foto com Neymar - Reprodução/Instagram
Vivi Saliba posa para foto com Neymar Imagem: Reprodução/Instagram

Karla Torralba

Do UOL, em São Paulo

01/05/2018 04h00

Quando Vivian Saliba foi pela primeira vez jogar pôquer com o pai aos 18 anos ainda não imaginava que poderia transformar o que mais gosta em algo profissional. O talento logo foi percebido, mas era difícil imaginar que o restante da família aceitaria algo além da diversão. Seis anos depois, aos 24 anos, Vivi disputa grandes torneios pelo mundo, levanta a bandeira contra o preconceito com o jogo e destaca a importância de grandes nomes do futebol como Neymar em torneios.

“O Neymar e outros jogadores são apaixonados por pôquer. É uma febre. Ele fez uma cirurgia e ele foi a vários torneios. Ele é apaixonado pelo pôquer. Eu não joguei contra ele, mas as pessoas falaram que não é ‘excelente’, mas vai bem. A função dele é se divertir. Ele se diverte muito. É excelente pro esporte a presença dele. Ajuda reforçar essa ideia de ambiente amigável”, ressaltou.

“É bom a divulgação do esporte para as pessoas não acharem que é algo negativo, achar que tem mulher de programa e homem fumando charuto”, disse Vivi, que hoje é a 21ª colocada no ranking entre os brasileiros e número 837 do mundo.

Ela também ganha de muitos desses boleiros fanáticos por pôquer e que adora organizar jogos em momentos de lazer. Ronaldo, Denilson e Moisés, do Palmeiras, estão na lista de batidos por Vivi. “Eu já joguei contra o Ronaldo, Denilson, Moises. Com o Ronaldo na época ele não era muito bom, mas eles geralmente vão bem e com certeza melhoraram”, relata Vivi.

Vivian Saliba disputa as maiores competições do mundo no poker, no ano passado na WSOP (evento mais importante do poker) ela terminou o Evento #54 (US$ 10.000 Pot Limit Omaha Championship) em 11º lugar. Nos últimos meses jogou especialmente o circuito 888poker Live em Londres, Barcelona e Bucareste, e semana que vem estará no o World Poker Tour 500 de Londres.

Vivi - Divulgação - Divulgação
Imagem: Divulgação
O preconceito por ser mulher

Grande parte dos jogadores são homens, o que faz crescer o preconceito quando uma mulher decide entrar no ambiente. “Todo mundo tem estereótipo que mulher bonita é burra e é um espaço predominante de homem. No Brasil e no mundo. Então quando começa a ter destaque no meio tem que provar ainda mais que é mérito seu, porque as pessoas sempre desmerecem. Um episódio em 2015: me julgaram sobre uma competição que ganhei, como se mulher não pudesse ser campeã contra homens”, relembra.

Ostentação e dinheiro?

Vivian deixou a faculdade de direito para se dedicar em período integral ao pôquer. Hoje viaja pelo mundo nos torneios ganhando e perdendo, como ela mesma ressalta. “As pessoas acham que é fácil. Muita gente tem ilusão de que ser jogador é ter glórias, dinheiro. Mas a partir do momento que se compreende o ambiente, tem muito sacrifício e muita gente não faz isso. A parte mais difícil é as pessoas se dedicarem. É um trabalho como outro”.

O treino mental

“É um jogo matemático e de estratégia. Tem que estudar muito. Eu estudo todos os dias. Tem que ter um preparo emocional e psicológico. Quando se está em uma competição, cada colocação você se aproxima mais de ser campeão e isso envolve muito muito dinheiro. Tem que ter um preparo físico, intelectual. Eu tento ter vida balanceada de alimentação e sono. Eu fiz yoga pra me ajuda na parte psicológica. Quando eu fico perto de uma competição de pôquer eu faço intensivo de tudo”.

Esporte