PUBLICIDADE
Topo

Esporte

"Diva do Skate" divide o tempo entre as pistas e namoro com estrela do rock

Paulo Anshowinhas

Do UOL, em São Paulo

13/09/2013 06h00

Ela faz o que mais gosta, ganha por isso e faz um som com seu namorado, que é estrela do rock. Estamos falando da skatista Karen Jonz, de 28 anos, bicampeã mundial de skate vertical e artista por natureza.

Bonita e inteligente, Karen é formada em Rádio e TV e Design Multimídia. Namora o líder da banda Fresno, Lucas Silveira, e foi a única brasileira a ocupar todos os lugares do pódio do skate vertical do X Games desde 2006.

Em entrevista ao UOL Esporte na pista de skate do CEU Butantã, em São Paulo, Karen mostrou seu estilo e carisma com o skate nos pés e com as palavras. No bate-papo, a campeã relembra como foi o primeiro contato com o carrinho, além de bastidores das competições e de sua vida pessoal.

“Via meus ídolos de infância, como Bart [Simpson], Menino Maluquinho e muitos outros andando de skate, então comecei a economizar juntando o dinheiro do troco do pão, vendendo bolo de banana na escola [no final do ensino médio], até descolar meu primeiro carrinho”, relembrou.

“No começo eu não conhecia ninguém, e as pessoas ficavam incrédulas ao ver uma menina andar de skate. Nas pistas, os meninos duvidavam que eu pudesse fazer as manobras, até que eu ia, acertava, e todos calavam a boca”, disse.

Sua primeira experiência em competições não foi nada agradável. Mesmo assim, a jovem não perdeu a esperança.

“Foi horrível. Meu primeiro campeonato não tinha categoria feminina, então corri com os meninos, mas não sabia fazer nada. Fiquei com raiva, mas treinei ainda mais, e no campeonato seguinte, fui bem melhor. Não tinha muitas referências na época, pois não havia uma geração de meninas skatistas antes”, disse.

Com o tempo, os bons resultados vieram. E, aliados ao carisma, Karen chamou a atenção de vários patrocinadores e, em pouco tempo, começou a ganhar destaque, roupas e dinheiro. “O que mais você poderia querer? Fazer o que mais gosta e que pagaria por isso, mas acaba ganhando para continuar fazendo”, animou-se.

Do Brasil para o mundo, Karen foi assistir ao All Girls Skate Jam, na Califórnia, e do lado de fora, na plateia, tudo parecia muito fácil. “Mas a moeda tem dois lados e, quando você está na pista, a história é outra. Tem muita gente te olhando, tempo curto para fazer sua rotina, e acabei indo mal”, recordou-se, ao mudar drasticamente de opinião ao participar de competições no exterior.

Foi morar em Clairmont, perto de San Diego, na Califórnia, onde ficou por cinco anos. Em 2005, no entanto, teve a oportunidade de fazer uma turnê pela Europa. O detalhe: ao lado de cinco meninos e ela como a única representante do sexo feminino. Um prato cheio para as brincadeiras, nem sempre de bom gosto.

“Eu tinha de dividir o quarto com os meninos, que roncavam, peidavam e ficavam jogando tênis com chulé na minha cara”, lembrou. Nesta viagem, no entanto, ela se tornou a primeira brasileira a ficar com o título europeu de skate.

“Ao ver os prêmios, sacolas recheadas com comidas caras, produtos eletrônicos, roupas, eu ficava com um sorriso de orelha a orelha”, falou, ao engasgar animadamente ao se lembrar da cena.

 

 

“Diva”

Pianista, guitarrista e baterista, Karen, também foi apresentadora de TV, do programa Jam, na Mix TV, onde teve a oportunidade de conhecer a banda Fresno. Neste encontro, conheceu seu atual namorado, o vocalista Lucas Silveira.

“Quando eu levei o Lucas pela primeira vez a um campeonato de vertical, a galera estranhou aquele cara ‘magrão’, todo tatuado, de bermuda colada. Eu disse para a turma que ele era meu ‘peguete’, que estava saindo”, ri, ao comentar sobre a reação dos skatistas sobre o artista que ficou famoso por liderar o movimento “emo” (emotion core) do rock, contestado e criticado pelos skatistas.

“Apesar do estereótipo de emo, o Lucas é um dos maiores músicos dessa nova geração do rock brasileiro. As pessoas criam preconceitos contra ele, ou eu, talvez por falta de conhecimento dos fatos, por isso é melhor antes de falar e criar uma opinião falsa, procurar saber das coisas, da mesma forma que até hoje tem gente que acha que menina não pode andar de skate”, desabafa.

Lucas é também seu parceiro artístico no projeto “VaGonaut and the Apple Monster” e forma um duo de rock alternativo que já tem milhares de seguidores. A empreitada conta com letras do próprio Lucas (em inglês) e desponta com dois hits, com nomes sugestivos: Naked in the Pool (pelada na piscina) e Party is Over (a festa acabou).

Karen tem o patrocínio das marcas Element, Nixon, Amazoo Açaí, Mary Jane, Kert cosméticos, Bones, Skull Candy, Naras Padas, Flexfit e Competition e, perguntada se já ficou rica, ou se ganha bem, ela foi rápida na resposta.

“Eu tenho meu apê e moro sozinha na Vila Mariana [bairro de classe média alta de São Paulo]”,  diz,a carismática e cuidadosa campeã, que pediu para ver as imagens antes de serem publicadas, preocupada com o shorts curto que estava usando durante a sessão de fotos. 

“Quero ver se não está mostrando nada muito íntimo, pois prefiro ser a Diva do Skate do que a Musa da Borracharia”, diverte-se.
 

Esporte