PUBLICIDADE
Topo

Esporte

Cassiano valoriza boa fase no Papão, sonha com títulos e acesso à Série A

24/05/2018 09h00

É só alegria para Cassiano neste início de temporada. O atacante do Paysandu marcou 17 gols em 24 jogos disputados pela equipe do Papão da Curuzu e tornou-se, momentaneamente, artilheiro do Bicolor por este feito. Além disso, já comemorou o primeiro título do ano: a Copa Verde, que deu vaga direta para às oitavas de final da Copa do Brasil de 2019. Em entrevista ao L!, o jogador relatou que acredita no acesso à Série A. Nos primeiros seis embates do Campeonato Brasileiro, da Série B, o time paraense está na quinta colocação, com 12 pontos. São duas vitórias e quatro empates, em seis partidas.

- Tenho procurado retribuir com gols, mas acredito que minha maior meta é dar o acesso ao Paysandu e títulos, como o da Copa Verde - disse o jogador.

Cassiano ainda relembrou os tempos de Fortaleza e de uma data celebrada pelos torcedores tricolores, após balançar as redes ao final da partida contra o Ceará, que rendeu o título cearense na ocasião. Pelo Papão, aos 28 anos, o atacante também comentou as sondagens de outros clubes e até falou sobre o sonho de chegar à Seleção Brasileira. Confira o bate-papo com o atacante:

LANCE!: O seu grande momento no Paysandu é evidente. Por isso, acredita que pode chegar em um clube com maior expressão no Brasil?

Cassiano: Estou em um clube grande, que é o Paysandu e muito feliz aqui. Tenho feito meu trabalho com muita dedicação e procurando honrar essa camisa sempre. O mais importante é que estou feliz e em uma fase muito boa. Agradeço demais ao Paysandu por tudo que tem acontecido comigo este ano. Sou muito grato ao clube. Tenho procurado retribuir com gols e títulos. Vou continuar trabalhando muito para contribuir ainda mais na sequência da temporada.

Houve sondagem de clubes grandes por conta da sua boa campanha?

Cassiano: Não chegou propostas até agora, pelo menos para mim. Nada de proposta oficial, mas já soube de sondagens por meio de meu empresário, porém nada concreto.

No dia 3 de maio de 2016, o Fortaleza criou o "Cassiano Day", em alusão ao seu gol aos 47 minutos, do segundo tempo em cima do rival Ceará, pelo Cearense, que deu o título à sua equipe. Como viu essa situação?

?Cassiano: Fiquei muito feliz por ser lembrado desta maneira. Depois disso, os torcedores me mandam mensagem e o próprio Fortaleza postou nas redes sociais comentando do gol. Foi um momento muito importante, ainda mais fazer o gol do título da forma que foi. Sinto-me lisonjeado por esse feito e pelo o que o Fortaleza me proporcionou.

Você já fez 17 gols pelo Paysandu em 24 jogos nesta temporada. Com esse aproveitamento, há segredo ou algum trabalho específico?

Cassiano: Não tem segredo. Eu treino bastante junto com a equipe, que também está fazendo boa temporada e isso ajuda muito. Há companheiros de alta qualidade e o time vem jogando bem, e acredito que é trabalho. Além disso, agradecer a Deus por eu está ajudando o Paysandu.

Traçou uma meta de gols e jogos para temporada?

Cassiano: Não cheguei a traçar metas. Claro que todo atacante pretende fazer muitos gols por meio de planejamento, mas as coisas para mim vem acontecendo de maneira natural. E, agora, que pegou gostinho dá vontade de fazer mais e terminar o ano com número bem expressivo. Mas acredito que minha meta maior é dar o acesso ao Paysandu e títulos, como a Copa Verde.

Se você tivesse que escolher um time para atuar, qual seria? Um time do Brasil que você tenha um carinho...

Cassiano: É difícil falar. Tem muitos times bons pelo Brasil, mas todo jogador sonha em atuar pelo Flamengo, Corinthians, São Paulo, Grêmio, em geral as equipes grandes. Agora, em especial, não tenho nenhuma equipe. O foco agora é só no Paysandu e vamos ver o que pode acontecer.

Apesar de não ser cogitado na Seleção Brasileira, você ainda acredita que um dia pode realizar esse sonho?

Cassiano: Seleção brasileira é o sonho de todos os jogadores do país. Claro que tenho isso em mente, mas preciso continuar trabalhando, me dedicando e fazendo gols. Meu foco é estar bem e ser feliz e fazer o que amo: jogar futebol. As consequências disso deixo para o homem lá de cima. O mais importante é que estou cada dia mais motivado e confiante aqui no Paysandu.

*Sob supervisão de Aigor Ojêda

Esporte