PUBLICIDADE
Topo

Esporte

Mano lamenta chances e marcação em Robinho: "deve ter feito 100 gols assim"

Enrico Bruno

Do UOL, em Belo Horizonte

22/10/2017 20h13

Robinho foi o grande nome do clássico mineiro deste domingo, vencido pelo Atlético por 3 a 1 diante do Cruzeiro. Dentro de campo, o atacante alvinegro marcou dois gols e ainda participou da jogada que igualou o marcador no segundo tempo. Em sua entrevista após o jogo, Mano Menezes lamentou as chances desperdiçadas pelo Cruzeiro quando ainda estava ganhando e apontou o erro na marcação do camisa 7 do Galo, que marcou seus gols de forma bem parecida, cortando para o meio e batendo cruzado.

"Na marcação que você faz com a linha de quatro, o jogador da última linha precisa fechar. O Robinho teve o mérito de dominar e definir muito bem. Mas nosso pecado talvez tenha sido não ter uma cobertura e deixar ele dar o drible para dentro. Ele já deve ter feito uns 100 gols dessa maneira, temos que conhecer contra quem estamos jogando. Tínhamos que ter outra atitude assim que a bola chegou no Robinho", comentou o treinador.

No primeiro gol de Robinho, o atacante deu um corte em Henrique e bateu rasteiro no canto esquerdo de Fábio. Já no segundo, entrou cara a cara com Ezequiel, cortou novamente para o meio e bateu no ângulo do goleiro celeste.

Outro erro que não agradou Mano foi a falta de qualidade na hora de definir. Quando ainda vencia por 1 a 0, o Cruzeiro teve boas chances de ampliar. Apesar de ter parado no goleiro Victor em algumas delas, a equipe celeste também não calibrou o pé na hora de definir e ainda contou com o azar. No fim do primeiro tempo, Alisson tirou bem do goleiro, mas chutou à esquerda da trave. Já na etapa final, Rafinha acertou o travessão do goleiro.

"A única coisa que digo é que o Cruzeiro teve o jogo na sua mão depois que fez 1 a 0. Teve uma chance clara com Alisson e outros contra-ataque no segundo tempo para matar o jogo. Mas não fizemos e depois do gol de empate nós desorganizamos. Ficamos ansiosos para fazer o 2 a 1, nossos jogadores ficaram desgastados, nosso meio ficou descoberto demais. Aconteceu, temos sofrido bastante por falta de mais força na última linha de ataque. Nossos jogadores são técnicos, mas na hora que precisa de mais contundência, ficou evidente que ficou faltando um homem de força ali na frente", comentou.

Apesar dos erros defensivos e ofensivos, Mano deixou claro que o momento não é de apontar culpados, mas detectar as falhas, absorver a derrota e partir para a próxima partida.

"Não dá para analisar o que quase aconteceu. Para um adversário com contra-ataque muito bem, você se expõe como equipe. O futebol, quando se perde, tem muita coisa que não foram bem feitas. Mas não vamos comentar publicamente e expor nossos profissionais aqui. Quando perde, perde todo mundo. E todos nós perdemos", encerrou.

Esporte